Uma das startups mais promissoras do mundo foi rejeitada por 75 investidores

Da Redação

Por Da Redação

9 de Maio de 2018 às 19:38 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Robinhood é uma das startups mais promissoras do mundo. Ela vem, nos últimos anos, produzindo um aplicativo para você negociar ações sem pagar nenhum tipo de taxa: não paga-se taxa de custódia ou de corretagem. É o terror de boa parte das empresas do mercado financeiro. Como consequência, a startup já é um unicórnio, com valor de mercado de US$ 5,6 bilhões.

Antes mesmo do lançamento oficial, o aplicativo já tinha 1 milhão de interessados em operar gratuitamente. Quem vê o sucesso da startup não imagina o quão difícil foi conseguir um investidor para colocar o negócio funcionando: eles foram recusados 75 vezes antes de conseguirem o investimento.

Imagine o que é bater na porta de 75 investidores e ouvir um “não”, antes do 76º abrir a carteira e investir. E que grandes investidores foram esses: Index, Google Ventures, Marc Andreessen – e eventualmente o cantor Jared Leto (o pior Coringa da história) e Snoop Dogg. E essa dificuldade para conseguir investidores tem um motivo: eles não tinham produto nenhum para demonstrar. Como os investidores iriam investir em um negócio que era só uma ideia até aquele ponto?

É altamente não-recomendável buscar investidores antes que você tenha, ao menos, um MVP (Mínimo produto viável) na mão e validado para mostrar. Contudo, o Robinhood não podia entrar no mercado sem uma quantia de capital, pois o FDIC (o FGC americano) não permitia uma “corretora” sem o mínimo de capital.

No final, deu certo e eles conseguiram o investimento por conta da qualidade dos empreendedores que estavam montando a empresa. “Eu acho que foi muito desafiador no começo. Havia muita gente que não acreditava na gente, e nós tivemos que bater em dezenas de portas. Mas éramos incansáveis”, disse Vlad Tenev, fundador e co-CEO da startup.

Ainda não há expectativa de que essa novidade chegue no Brasil, mas há inúmeras fintechs que estão fazendo coisas interessantíssimas por aqui. Por isso, estamos fazendo um evento em São Paulo sobre o assunto. Para conhecer e saber mais detalhes, clique aqui.