Motoristas da Uber e Lyft podem fazer paralisação antes de IPO da Uber

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

6 de Maio de 2019 às 18:11 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

A oferta pública de ações (IPO) da Uber está agendada para quinta-feira (9) e já está mexendo com os ânimos de seus profissionais. Motoristas da empresa, de diversos locais do mundo, estão planejando uma paralisação para o dia anterior ao evento, na quarta-feira (8), para reivindicar por melhores remunerações e condições de trabalho. Devem se juntar aos trabalhadores da Uber, os condutores da Lyft.

Os motoristas estão pedindo que as empresas cobrem menos comissão e, em alguns casos, que os considerem funcionários e não terceiros. Motoristas do Brasil (São Paulo e Campo Grande), Estados Unidos (Nova York, Filadélfia, Boston e Los Angeles) e Inglaterra (Londres, Birmingham, Nottingham e Glasgow) devem participar da paralisação.

Especificamente no Reino Unido, os motoristas da Uber foram considerados empregados (e não autônomos) após decisão judicial em dezembro do ano passado. Já em Nova York, cidade que a empresa escolheu para abrir capital, uma nova lei impõe o salário mínimo de US$ 17,22 por hora. No Brasil, o governo está planejando a inclusão dos motoristas no INSS, o que garante direito a benefícios como auxílio-doença e aposentadoria por invalidez.

No entanto, apesar das semelhanças, na maioria dos locais os motoristas da Uber são considerados funcionários autônomos. Eles fazem parte da chamada “gig economy”, que divide opiniões em todo o mundo.

O que esperar da abertura de capital?

A expectativa é que a Uber alcance o valor de mercado de US$ 90 bilhões com o IPO. A última avaliação de mercado da empresa foi de US$ 78 milhões, em agosto do ano passado.

Nesse caso, a Uber pode aprender a partir da experiência de uma de suas principais concorrentes. A Lyft, presente nos EUA e Canadá, inaugurou no mercado de capitais no final de março. A empresa atingiu o valor de mercado de US$ 24 bilhões. Suas ações foram negociadas em mais de 21% o valor previsto, mas hoje encontram-se em baixa, entorno de US$ 60 por unidade.

Motoristas da Lyft devem participar da greve dessa quarta-feira (8) nos Estados Unidos. A empresa também enfrentou paralisações e o descontentamento de seus motoristas antes do IPO, chegando a mudar reunião de lugar para fugir de protestos.