Uber inova e está contratando para expandir serviço de delivery de comidas

Da Redação

Por Da Redação

20 de agosto de 2015 às 13:34 - Atualizado há 5 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

SÃO PAULO – O aplicativo do momento, o Uber, está novamente inovando e deverá voltar a fazer barulho em breve. Mas ao invés de incomodar taxistas, agora é outra categoria de transportadores públicos que deverá ser “prejudicada” com o aplicativo: os motoboys. 

Isso porque o aplicativo está expandindo o seu negócio de delivery, chamado de UberEats, mostra o Silicon Valley, que já estava disponível em Nova York, Los Angeles e Chicago, além de Toronto e Barcelona fora dos EUA. A companhia está autorizando o funcionamento em São Francisco, além de contratar funcionários para o serviço em Miami, Washington, Atlanta, Seattle, Houston e Nasville. 

Depois dos Estados Unidos, a tendência é que o Uber tente expandir o serviço para outros países – incluindo o Brasil. A empresa foi recentemente capitalizada e tem um grande caixa para conseguir montar o serviço antes de ter que lucrar com ele. O Uber seria o responsável pela entrega de comida dos restaurantes parceiros. 

A empresa enfrenta grandes problemas regulatórios em praticamente todos os mercados que ela enfrenta: no Brasil, discute-se muito se pode deixar o Uber operar ou não – a pedido dos taxistas. Na Califórnia, a possível proibição será para o serviço de leasing de carros, que permite os motoristas a trabalharem no Uber sem ser dono do carro. 

Com esse novo mercado a ser explorado, não há dúvidas: também enfrentará pressões regulatórias. Resta saber de quem.