Uber em greve? Conheça o WillGo, um rival que promete ser ainda melhor

Avatar

Por Lucas Bicudo

28 de março de 2016 às 14:19 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Em casos de eventuais paralisações em outras franquias de carona, como a que está acontecendo no Uber nessa segunda-feira (28), surge o aplicativo WillGo, uma ótima alternativa tanto para os clientes, quanto para os condutores e que chega em solo brasileiro no próximo mês de Abril.

Já são mais de 4 mil motoristas cadastrados na nova plataforma. Para esses, o diferencial está na hora de associar seus serviços com os da startup, que acontece apenas através do pagamento de um valor fixo mensal – variável de acordo com o plano de licença escolhido – e sem a necessidade da inclusão de taxas em cima do faturamento de cada corrida.

Há uma boa flexibilidade de critérios na hora de cadastrar a categoria, modelo e cor de seu veículo, além da opção de cadastro de motos para entrega de documentos e objetos.

Para os passageiros, os grandes features talvez sejam o agendamento de corridas com antecedência, o botão de “favoritar” profissionais de sua preferência – dessa maneira há também a possibilidade de ajudar os próprios condutores a criarem sua própria carteira de clientes – e tarifas fixas que não sofrem alterações por conta do dia, horário ou da demanda.

“Apostamos nessas vantagens aos motoristas para atrair a melhor frota e aumentarmos a qualidade do serviço e a motivação desses profissionais, que continuarão a trabalhar sem fazer interrupções”, explica Gabriel da Silva, diretor da WillGo.

O cadastro de condutores continua em todo o Brasil e o lançamento para usuários, à princípio, deve ocorrer em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre e posteriormente em outras cidades brasileiras.

“Queremos que todo o país possa contar com transporte particular acessível e de qualidade”, conclui Silva.