Theranos: por que a startup está sob investigação e pode perder a reputação

Uma das acusações alega que a empresa continuava utilizando suas técnicas de análise, mesmo sabendo que existiam problemas de estabilidade e precisão nos resultados

Avatar

Por Júlia Miozzo

21 de dezembro de 2015 às 13:48 - Atualizado há 4 anos

SÃO PAULO – Além do FDA (Food and Drug Administration), outros órgãos reguladores dos Estados Unidos estão investigando a startup Theranos por conta de reclamações sobre os métodos de análise de sangue que utiliza.

A primeira reclamação foi feita em setembro para o Centers for Medicare and Medicaid Services, que acusava a empresa de instruir os funcionários a continuar analisando as amostras de sangue utilizando os dispositivos próprios da empresa, mesmo sabendo que existem problemas de estabilidade, precisão e exatidão.

A última reclamação, feita no início deste mês, apontou que um estudo feito pela empresa no ano passado por um teste de herpes foi extremamente problemático pode conta de protocolos errados de pesquisa – durante os testes, parte dos dispositivos usados foi modificada, o que poderia mudar os resultados.

Já em outubro, o The Wall Street Journal havia divulgado problemas com os métodos criados pela Theranos, o que estava levando a empresa a utilizar métodos tradicionais. “Agora a empresa precisa ter a aprovação de todos os seus equipamentos, incluindo os que são usados para analisar realizar os testes como os chamados ‘nanotainers’ que coletam o sangue dos dedos”, escreveu o NY Times.

A startup ganhou reconhecimento por sua tecnologia acessível e que realiza os mesmos testes sanguíneos usando amostras menores. Elizabeth Holmes, CEO e cofundadora da empresa, é a mulher bilionária mais jovem do mundo – e a startup está avaliada em US$ 10 bilhões.