Startup transforma compras em pontos que podem ser usados para pagar o FIES e outros cursos

Avatar

Por Júnior Borneli

2 de março de 2015 às 13:28 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

Um grupo de empreendedores, egressos do mercado de educação e milhagem, acaba de lançar no mercado um programa de pontos para apoiar a educação das famílias brasileiras.

O Ponto Educa permite que as compras realizadas pelos usuários nas empresas que participam do programa gerem créditos educacionais – assim como nos programas de milhagem das companhias aéreas e pontos, do cartão de crédito – para o pagamento das mensalidades escolares, graduação, pós-graduação, cursos de idiomas, profissionalizantes e também para o pagamento de boletos do Fies, programa de financiamento estudantil do Ministério da Educação.

“Ao invés de esperar pela ajuda dos governos para resolver os problemas da sociedade, pensamos que a iniciativa privada e a sociedade poderiam se autoorganizar para ajudar o país”, diz Rafael Tobar, CEO da startup.

Quer ter sucesso com a sua startup? Cadastre-se no StartSe e mostre seus projetos para milhares de investidores, mentores e aceleradoras! É gratuito. Acesse www.startse.com.br.

Além do apoio aos consumidores, muitas empresas também estão oferecendo os pontos diretamente para os seus funcionários em campanhas de motivação. O programa já conta com dezenas de instituições de ensino em todo o Brasil, somando milhares de cursos – de curta duração à pós-graduação. E mesmo os alunos das instituições de ensino ainda não filiadas podem recorrer ao Ponto Educa para quitarem seus boletos educacionais.

As compras feitas em empresas como Casas Bahia.com, Netfarma, Mobly, Extra, Centauro entre outras, são alguns exemplos das Empresas que Educam – organizações que passaram a destinar parte de seu faturamento para o incentivo educacional. É importante frisar que para que a doação aconteça, as compras precisam ser originadas a partir do ambiente do site www.pontoeduca.com.

Qualquer pessoa pode participar e não há cobrança de taxas para os beneficiários, nem a necessidade de se restituir em algum momento os recursos recebidos. “Os pontos do Ponto Educa não expiram, por isso o objetivo é que esta moeda educacional se torne uma alternativa consistente para a poupança das famílias que pretendem e precisam investir em sua educação ao longo dos anos”, diz o CEO do Ponto Educa.

Além disso, a cada 10 pontos que os participantes recebem por realizar compras nas Empresas que Educam, o programa deposita 1 ponto adicional em seu Fundo Social. Se preferirem, os participantes também podem doar pontos para o Fundo. O saldo mensal do Fundo é depois distribuído, sob o formato de bolsas, entre os participantes que se enquadrarem nos critérios de baixa renda.

“Trata-se de um jeito econômico e prático de se fazer doações. O Ponto Educa pode ser encarado como um crowdfunding para apoiar a educação daqueles que mais precisam, sem a necessidade do doador usar recursos financeiros. Basta direcionar seus gastos cotidianos para as Empresas que Educam”, completa Rafael Tobar.

Para saber detalhes e visualizar quais empresas participam do projeto, acesse www.pontoeduca.com.