Startup sueca recebe US$ 67 milhões e entra no “shadow banking”

Avatar

Por Júlia Miozzo

1 de setembro de 2015 às 12:41 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

SÃO PAULO – A startup sueca iZettle, que fabrica leitores de cartão para smartphones, fechou uma rodada de investimentos de US$ 67,3 milhões – somando todos os investimentos, a empresa já recebeu US$ 165,5 milhões. O diferencial da startup é permitir que pequenos negócios e empresários individuais aceitem o pagamento em cartões.

Segundo o Business Insider, além do novo investimento, a empresa anunciou que está entrando em uma área nova de negócios: empréstimos para pequenos negócios. O serviço vai permitir que os clientes que utilizam o leitor de cartões possam pegar dinheiro emprestado contra rendas futuras projetadas. Em entrevista ao site, o CEO Jacob de Geer disse: “É um próximo passo muito lógico. Nós temos intensa integração com os dados de nossos clientes e temos uma ideia do quanto estão processando a cada mês ou ano. Já vimos com o teste que estamos fazendo a alguns meses que podemos reduzir o risco em boa parte”.

Os clientes serão capazes de fazer empréstimos de valores correspondentes a duas a três vezes de sua renda média mensal. Os empréstimos serão autorizados com base nos dados de uso do aparelho de cada cliente da iZettle. “Eles são pré-aprovados por diversos fatores. Tudo, desde qual negócio possuem até a quanto tempo são nosso cliente”, disse de Geer.

Nesse aspecto, o diferencial é que a empresa não aplicará juros ou estabelecer uma data limite para pagamento. Para cada empréstimo será cobrada uma taxa fixa, e o empréstimo será pago de volta com o aumento da taxa em futuras transações feitas no aparelho de cada cliente.

Ainda segundo o CEO, o novo investimento será voltado para sustentar o crescimento nos países europeus em que já funciona, tal como a expansão para novos países – Itália, por exemplo.