Startup que testa aplicativos atinge valor de US$ 500 milhões

Avatar

Por Isabela Borrelli

31 de outubro de 2018 às 14:51 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 16 a 19/Nov, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

O acesso a smartphones aumentou muito ao longo dos anos. Hoje, três quartos dos norte-americanos possuem um dispositivo. Consequentemente, o uso de aplicativos se tornou parte do dia a dia das pessoas, e plataforma indispensável para empresas.

Apesar disso, até pouco tempo testar o funcionamento de um aplicativo podia se tornar uma verdadeira dor de cabeça, que atingia até grandes empresas como o Google. Foi o que sentiu Manish Lachwani, que já trabalhou no Chrome, do Google, e projetos mais variados como Zynga e YouTube, e enfrentou essa mesma dificuldade em todos eles.

Segundo o Business Insider, ele afirmou: “Não era possível entender se algo iria funcionar ou não e vários jogos falharam por causa disso. Nós passamos por muitas dificuldades”.

Depois de enfrentar o mesmo problema em diversos lugares, Lachwani decidiu resolver o problema criando a HeadSpin, uma startup que permite que desenvolvedores testem seus aplicativos facilmente em tempo real e nos dispositivos próprios. No caso, não é incomum desenvolvedores usarem simuladores nos computadores para testar os aplicativos de celular, mas mesmo assim podem ocorrer erros inesperados.

A solução é consideravelmente boa: a startup faz com que seja possível solucionar os problemas em cinco minutos, segundo o Lachwani, e isso significa uma economia de dinheiro e tempo para os desenvolvedores.

Aposta dos investidores

A iniciativa não só está crescendo no meio tecnológico como também tem a atenção dos investidores: na terça-feira, a HeadSpin anunciou um investimento Série B de US$ 20 milhões. Com essa rodada, o valor de mercado da startup chega em US$ 500 milhões, após somente três anos.

Esse valor já tem um destino: a HeadSpin planeja incorporar mais automação no aplicativo para identificar problemas de alta prioridade para os aplicativos. “Todo o aprendizado nos ajudou a criar uma plataforma que ajuda os clientes a entender e consertar o que for antes do lançamento”, Lachwani disse.