Conheça a Laura, a robô que usa análise de dados para prevenir infecções generalizadas

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

22 de abril de 2019 às 17:57 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Quando criou a startup Laura, em 2014, Jacson Fressatto tinha um objetivo nobre: salvar vidas. Anos antes, em 2010, o empreendedor perdeu sua filha recém nascida, que faleceu depois de ser diagnosticada com sepse, mais conhecida como infecção generalizada. Desde então, Jacson se dedicou à estudar o problema — que mata mais de 250 mil pessoas por ano — para criar uma solução que ajudasse a prevenir a sepse.

“Queria desenvolver algo que impactasse a vida das pessoas”, conta o empreendedor. Assim nasceu a Laura, que usa machine learning e inteligência artificial para coletar e analisar dados, auxiliando na tomada de decisões e prevenindo a sepse. A solução cruza as informações do paciente com fatores de risco, alertando os profissionais de saúde em tempo real quando algo anormal está acontecendo.

Com computação cognitiva, a Laura é capaz de aprender e categorizar automaticamente os dados. Além disso, possui 263 motores responsáveis por prever e antecipar circunstâncias e eventos de risco. Desde 2016, o robô já monitorou os dados de mais de 1,2 milhões de pacientes.

Com o passar do tempo, a Laura também passou a ser usada em outros setores, como varejo. A plataforma voltada para empresas foi lançada em 2018 e já atende diversos clientes, como a Nissan. “A Laura cruza indicadores de clientes recorrentes da marca e indica em qual momento ele está pronto para comprar novamente”, explica Fressatto.

O sonho da Laura

Presente hoje em seis hospitais, a startup se prepara para levar sua solução de saúde para outras instituições em Minas Gerais e São Paulo. No hospital oncológico A.C Camargo, por exemplo, a Laura será usada para auxiliar profissionais nos tratamentos de imunoterapia — que atacam as células cancerígenas usando o próprio sistema imunológico do paciente.

“O A.C Camargo tem uma central de monitoramento onde os médicos acompanham o tratamento desses pacientes. Nós vamos usar a Laura para ajudar a equipe a fazer esse atendimento com informações em tempo real”, explica Fressatto. Segundo o empreendedor, o plano é levar a solução para outros lugares do país. “O sonho da Laura é levar a tecnologia eficiente e acessível para todas as pessoas. Neste ano, estamos com um plano de expansão para alcançar mais de 100 hospitais no Brasil”.

Jacson Fressatto será um dos palestrantes do HealthTech Conference, evento promovido pela StartSe sobre a medicina do futuro, as inovações do setor e as startups que estão transformando o mercado. Para saber mais sobre a Laura e outras tecnologias da área, garanta sua vaga!