Startup israelense afirma ter encontrado cura para o câncer

João Ortega

Por João Ortega

30 de janeiro de 2019 às 15:56 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Uma startup de Israel de biotecnologia afirma ter encontrado a cura definitiva para o câncer. Segundo a Accelerated Evolution Biotechnologies (AEBi), o tratamento funciona para todos os tipos de câncer, gera poucos efeitos colaterais e teve sucesso em testes com roedores. “Acreditamos que dentro de um ano poderemos oferecer a cura completa para o câncer”, diz Dan Aridor, membro do conselho da startup.

Em entrevista ao jornal The Jerusalem Post, o Dr. Ilan Morad, CEO da AEBi, explicou que sua equipe procurou entender quais eram as razões para outros tratamentos de câncer falharem. Depois, os cientistas fizeram o caminho reverso, encontrando soluções para quebrar os sistemas de defesa das células cancerígenas.

“Nossos resultados são consistentes e replicáveis”, diz Aridor. Os primeiros testes, em vitro, tiveram sucesso. Depois, com roedores, mais um êxito. As células humanas cancerígenas, inseridas nos animais, foram inibidas; já os ratos saudáveis não tiveram efeitos colaterais com o tratamento. O próximo passo é iniciar testes clínicos em humanos, o que deve ocorrer nos próximos anos.

MuTaTo: o tratamento

Nomeado como MuTaTo (abreviação de multi-target toxin, ou toxina de múltiplos alvos), o tratamento é análogo ao coquetel da AIDS, segundo Morad. “Antes, dávamos a pacientes com AIDS vários medicamentos, administrados um de cada vez”, explica. “Durante o tratamento, o vírus sofria mutações e a doença voltava a se manifestar. Apenas quando os pacientes começaram a usar o coquetel de uma vez a doença foi controlada”.

Na mesma linha, o MuTaTo age ao mesmo tempo em todas as células cancerígenas e em todas as partes de cada uma. Assim, evita que elas sofram mutações durante o tratamento e se tornem resistente ao medicamento. Diferentemente da AIDS, porém, as células cancerígenas morrem e o paciente não se mantém como “portador” da doença. Portanto, não precisará tomar medicamentos pelo resto da sua vida.

Apesar de ser geral – e atacar efetivamente todas as células que podem gerar mutações cancerígenas –, o tratamento promete estar restrito à parte doente. Ou seja, não irá atuar em células saudáveis, o que reduz efeitos colaterais comuns na quimioterapia tradicional, por exemplo.

Além disso, o tratamento desenvolvido pela AEBi é individualizado. A ideia dos cientistas é que o paciente faça uma série de testes e seja desenvolvido um medicamento personalizado para seu tipo de câncer. Isso garante a eficácia contra as células de um câncer específico e evita os efeitos colaterais gerados por um remédio “universal”.

O MuTaTo surgiu de uma derivação de uma tendência crescente na biotecnologia. No ano passado, pesquisadores ganharam o prêmio Nobel por gerar proteínas específicas (anticorpos, em maioria) em laboratório a partir de vírus que infectam bactérias. O processo realizado pela AEBi é o mesmo, só que, ao invés de resultar em anticorpos, as proteínas são peptídeos. Segundo Morad, estes são “mais baratos, menores e de produção mais simples”.

O câncer na Nova Economia

O câncer é a segunda maior causa de mortes no mundo, apenas atrás de doenças cardiovasculares. No universo das startups e inovações tecnológicas, diversas iniciativas estão sendo tomadas para reduzir os danos causados pela doença. Veja alguns exemplos:

Cientistas criam nanorobôs que rastreiam e matam apenas células cancerígenas

Conheça o Tummi, App para quem luta contra o câncer

Startup de saúde testa com sucesso nova terapia contra o câncer