Startup inglesa cria “sistema operacional” para cidades inteligentes do futuro

Avatar

Por Júlia Miozzo

11 de novembro de 2015 às 13:23 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A startup londrina Improbable lançou nesta quarta-feira (11) a sua primeira cidade de simulação virtual, junto de seu sistema operacional. A principal ideia do negócio é facilitar a simulação de sistemas complexos – algo que ainda é extremamente complexo.

“Hoje, na ciência da computação, as pessoas são mestres em aplicativos para construir coisas para um único computador. E todo o poder desse computador pode ser usado para coisas ótimas. Mas existem esses outros conjuntos incrível de problemas que queremos resolver – como recriar cidades completas e criar mundos virtuais para serem explorados, ou recriar economias e ser capaz de esboçar todos os processos em uma empresa”, disse o CEO da startup, Herman Narula, em entrevista ao Business Insider.

O foco inicial da startup, fundada em 2012, era nas implicações tecnológicas de jogos, mas já possui aplicativos na área de ciência, pesquisa, defesa e outras. A cidade virtual anunciada é montada com a ajuda de diversos acadêmicos para formular as milhões de interações de entidades interconectadas, desde as pessoas até os carros.

“O jogo final aqui é dar à cidade um sistema operacional. Isso não é só uma simulação, é um modelo operacional”, disse o CEO. “Você pode ligar isso em sensores ao vivo e começar a usar em operações do dia-a-dia. Se o caminhão do lixo estiver atrasado, qual será a implicação naquela cidade? Nós conseguimos descobrir em um momento. Se você quisesse criar um novo serviço, ou um serviço como o Uber, ele poderia ser capaz de enganchar-se a este, ajudando-o a torna-lo muito mais eficiente. E o ponto que queremos criar para o mundo é: é esse o ponto a que precisamos chegar, não somente para cidades – mas para qualquer sistema complexo. Todas as nossas empresas de infraestrutura deveriam funcionar desta maneira, porque essa é a única maneira de entender as consequências de nossas ações, planejadas e devidamente, em um mundo que se torna cada vez mais complicado”, explicou. A cidade virtual vai funcionar com o sistema operacional da empresa, SpatialOS, também lançado hoje.

Improbable