Startup fecha do dia para a noite e demite seus 400 funcionários por e-mail

Avatar

Por Júlia Miozzo

11 de agosto de 2015 às 16:08 - Atualizado há 5 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

SÃO PAULO – O que você faria se soubesse através de um e-mail que, de um dia para o outro, foi demitido? Foi o que aconteceu com os funcionários da Zirtual, uma startup que recentemente tinha levantado US$ 5,5 milhões em investimentos e, “repentinamente”, apagou todas as páginas na internet e afirmou em seu site que estava “pausando as operações”.

Mesmo que a CEO, Maren Kate Donovan, tenha afirmado em entrevista que era necessário ter transparência com seus funcionários durante qualquer mudança na empresa, todos foram avisados que a empresa havia cessado completamente suas operações através de um e-mail, enviado de madrugada. As informações são do Business Insider.

Ex-funcionários da startup contaram que ela vinha enfrentando um período de rápida contratação nos últimos 18 meses, aumentando o número de funcionários de 150 para 400 – todos demitidos. Nos últimos dois meses, o trabalho havia diminuído para alguns dos assistentes virtuais, mas muitos acreditavam que era por conta das férias.

“Estávamos muito confusos sobre o motivo de o trabalho ter reduzido. Não estávamos tendo cancelamentos de clientes e nunca soubemos que havia algo para nos preocuparmos”, disse uma das funcionárias. Haviam, inclusive, planos de aumentar o salário mínimo por hora de cada funcionário e de um novo produto.

Ainda não se sabe o motivo do desligamento da empresa, mas especula-se que é devido às dívidas que os fundos investidores enfrentavam ou pelo fato de a empresa nunca ter modificado o preço de seu serviço, mesmo com o crescimento. A CEO da empresa não fez nenhum comentário sobre o ocorrido.