Startup de robôs aumenta em mais de dez vezes produtividade de PMEs, sem demissões

StartSe

Por StartSe

17 de julho de 2020 às 17:54 - Atualizado há 2 meses

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Em 2014, quando começaram a se dedicar a fundo a bots e automações, os sócios da BotCity perceberam que, embora as empresas sentissem na pele a dor da falta de automação em diversos processos, o custo de bots e Inteligência Artificial era de altíssimo valor para elas.

Somente as grandes companhias teriam acesso a esse serviço privilegiado. Esse aprendizado foi a faísca para a criação da BotCity, uma startup que decidiu voltar suas atenções ao uso de bots e automação para negócios em crescimento e, em especial, do middle market.

“Focamos no middle market porque nesse segmento estão as empresas que precisam ascender rapidamente e que, embora já tenham time próprio de TI, necessitam voltar todos os esforços para o próprio crescimento, não em desenvolver robôs. Neste momento de pandemia, os robôs blindam a operação das pequenas e médias empresas, evitando perdas, e ajudando-as a se prepararem para o crescimento pós-crise”, diz Lorhan Caproni, CEO da BotCity.

A startup leva essa tecnologia para PMEs, num cenário em que todas as empresas e setores precisarão se automatizar.

Com base nessas experiências, a startup desenvolveu uma solução de “Bot as a Service”, que permite que a implantação do robô tenha sempre um custo-benefício claro para a empresa. O resultado econômico pode ser identificado no ROI (retorno sobre investimento) por diversas frentes, como em: tempo logístico economizado, erros evitados e melhoria de processos envolvendo clientes e fornecedores, diminuindo lead time de operação e entregando uma melhor proposta de valor.

“Temos clientes que aumentaram em mais de dez vezes sua capacidade de atendimento em demandas digitais e clientes na área de serviços financeiros que conseguem gerar receitas consultivas com um time reduzido, que antes passava metade do seu tempo em uma tarefa operacional”, explica Caproni.

Entrando como parceiros que realizam o processamento pesado, os bots liberam as pessoas para o trabalho consultivo, analítico, de auditoria, garantindo eficiência estratégica onde a supervisão humana é realmente indispensável.

Robôs são a ferramenta ideal para um backoffice eficiente e tornam-se um investimento atrativo e ideal para pequenas e médias empresas lidarem com crises.

Atualmente, dentre as principais áreas beneficiadas pela automação promovida via bots pela BotCity estão: compras e suprimentos, logística, área fiscal e tributária (tax) e financeiro, em aplicações para os mercados de finanças, varejo, logística, construção civil, educação e engenharia.

Para viabilizar o acesso a esses benefícios, a BotCity aposta num modelo de negócio que torna acessível às empresas a implantação de diversos robôs nas suas operações.

“Criamos um modelo inovador de desenvolvimento 100% remoto, tornando possível hoje o atendimento de clientes de todo o Brasil, mesmo durante o isolamento social.

Para conseguirmos alcançar prazos ótimos e uma precificação acessível, que não irá sacrificar o caixa das empresas, temos squads dedicados a múltiplos projetos, formados por desenvolvedores, analistas de suporte e gestor de projeto, que oferecem uma operação enxuta e ágil”, informa o CTO da BotCity, Gabriel Archanjo.