Startup de carros surge com projeto de US$ 1 bi (e talvez Apple esteja por trás)

Avatar

Por Júlia Miozzo

9 de novembro de 2015 às 11:59 - Atualizado há 5 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 22 a 25/Fev - 2021, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Muito tem se falado sobre os carros elétricos serem o futuro da indústria automobilística e diversas montadoras estão trabalhando em seus projetos – sem contar montadoras que trabalham somente nesse tipo de veículo, como a Tesla, pioneira. A startup Faraday Future também apostou nessa indústria e vai construir uma fábrica de US$ 1 bilhão na Califórnia para a produção de uma nova linha de carros.

Muitos detalhes sobre a fábrica e a própria startup estão sendo escondidos, mas já se sabe que os carros da empresa serão todos elétricos. Atualmente, com cerca de 400 funcionários, a empresa já buscou executivos de talento de sua possível concorrente, Tesla. Como conta a AP, a empresa busca se diferenciar da empresa de Elon Musk ao rotular os carros menos como um meio de transporte e mais como uma ferramenta para pessoas conectadas.

“A vida das pessoas mudaram com os dispositivos móveis, a maneira como interagimos”, disse Stacy Morris, um porta-voz da startup. “A indústria automobilística ainda não alcançou isso. O carro ainda parece um lugar onde a pessoa está desconectada”.

Segundo comunicado da empresa, o primeiro carro deve ser lançado em 2017. Mesmo com um período tão pequeno até o lançamento, diz-se que a bateria do carro terá uma bateria com capacidade 15% maior que o do Tesla S.

Alguns rumores que circulam pela internet apontam que a startup pode ser uma empresa fachada da Apple, escondendo os esforços do possível “Apple Car” até que ele esteja pronto.

O que reforça tal hipótese é o fato de a startup não divulgar quem é seu CEO, ter comprado um terreno imenso no mesmo local que a Apple recentemente o fez e ter conseguido investimentos em pouquíssimo tempo.