Startup de brasileiros na Suiça levanta R$ 1 milhão em ICO para financiar-se

A Auctus arrecadou o investimento para o pré-lançamento de sua plataforma

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

24 de outubro de 2017 às 15:16 - Atualizado há 2 anos

Ethereum

A Auctus (confira o perfil na base da StartSe) arrecadou 958 ethers, moeda virtual do Ethereum, para o financiamento da versão de testes da plataforma de fundos de previdência. A plataforma funciona através da blockchain –  sistema responsável pelas transações de moedas virtuais -, e será lançada em novembro. O preço do Ether está oscilando perto de US$340 – 958 ethers valem cerca de R$ 1 milhão.

A ICO, oferta inicial de moedas virtuais, foi publicada na rede do Ethereum e permitiu investidores em nível global, além de conexão com outros fundos de pensões e agentes do mercado de criptomoeda.

A startup foi fundada em maio de 2017 por 10 engenheiros de software e um designer, brasileiros, e um profissional de finanças suíço. Apoiados por estudos em criptomoedas que realizavam desde o ano passado, eles encontraram uma solução para o mercado de previdência, que possui problemas como fraudes e falência no Brasil e em diversos países do mundo. A Auctus também conta com quatro conselheiros, entre advogados e especialistas em fundos de pensão, fintechs e tecnologia voltada ao mercado financeiro.

A Blockchain do Ethereum permite a realização de smart contracts – contratos inteligentes que não podem ser alterados. A blockchain descentraliza os contratos, que não ficam concentrados em um servidor, mas em uma rede criptografada. Os contratos não precisam de intervenção para serem executados. Essa tecnologia permite a eliminação do intermediário de qualquer troca de produtos ou serviços.

Na versão inicial da plataforma, a Auctus montará um fundo do tipo patrocinado pela empresa, no qual o empregado e o empregador contribuem com uma porcentagem que pode ser retirada após um tempo determinado. “A versão de testes fará uma simulação para as pessoas entenderem como funcionaria um fundo de aposentadoria e previdência privada na blockchain. Simularemos a passagem do tempo e a evolução do portfólio, a distribuição do fundo em diversos ativos diferentes, a variação do percentual do empregador”, afirma Daniel Duarte, engenheiro de software sênior da startup.

Os usuários não precisam ser desenvolvedores ou conhecer o funcionamento da blockchain para usar a plataforma. A interface intuitiva permite que um funcionário do mercado de pensão e fundos tradicionais acessem e preencham os valores e termos.

A Auctus deseja construir uma plataforma global e descentralizada, para a criação de novos fundos de pensão e adaptação dos fundos tradicionais já existentes, com a transformação dos documentos em papel para contratos inteligentes codificados na rede do ethereum.

As moedas virtuais estão gerando regulamentações diferentes em cada país, o que é, agora, um empecilho. “Esperamos que a questão legal da blockchain evolua e um contrato inteligente no ethereum seja aceito como um documento válido. Isso permitirá que a nossa plataforma de previdência aceite qualquer tipo de fundo, para não trabalharmos apenas com moedas virtuais no futuro”, afirma Duarte.

Os próximos passos deste mercado serão discutidos na maior conferência sobre criptomoedas do Brasil, a Bitcoin Conference.

A plataforma blockchain do Ethereum transforma qualquer moeda convencional em ether, facilitando transações em todo o mundo. Os ethers são realmente ativos existentes e podem ser convertidos nas moedas convencionais novamente.

Participe do maior censo de startups do Brasil! Não deixe de entrar no grupo de discussão da StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

E caso você tenha em patrocinar os eventos da Startse, entre em contato no patrocinio@startse.com.

[php snippet=5]