Startup conecta bancos a quem busca crédito e já movimentou R$ 100 milhões

Segundo o fundador, já foram movimentados R$ 100 milhões em propostas de crédito

Avatar

Por Júlia Miozzo

13 de novembro de 2015 às 09:43 - Atualizado há 4 anos

Nem sempre todas as empresas que buscam captação no mercado de crédito conseguem encontrar um financiado. Pensando em solucionar esse problema, a startup F(x) criou um aplicativo que promete funcionar de maneira semelhante ao Tinder, em que bancos fazem o cadastro e dispõe informações sobre o tipo de crédito que estão dispostos a ceder e as empresas também criam um perfil, explicando qual o setor em que atuam e tipo de crédito buscado. Os lados que mais se assemelharem são conectados através de um algoritmo da empresa que notifica ambas as partes com mais informações.

“As empresas brasileiras são muito mal atendidas quando o assunto é crédito”, disse o empreendedor Dan Cohen, fundador da startup. Além de conectar bancos a empresas, a plataforma também permite que profissionais autônomos utilizem a tecnologia para aumentar o acesso dos seus clientes à fundos e instituições financeiras.

No início do ano, a startup se associou ao grupo eGenious Founders, especialista em empresas de tecnologia para dar o suporte necessário para que a empresa se consolidasse no mercado nacional.“A proposta de automação com inteligência artificial e aplicação de algoritmos em um mercado bastante arcaico é arrojada para o setor e chama a atenção”, afirma Eduardo Küpper, sócio da eGenius Founders e agora cofundador da F(x).

A empresa que necessita do crédito devem ter uma receita mínima anual de R$ 30 milhões e comprovar equilíbrio de suas contas e também deverão pagar uma taxa de sucesso quando encontrarem um financiador. Após a aproximação entre as partes, as negociações acontecem sem envolvimento da F(x).

Fatores como taxa de juros e prazos, além de carências, setores de preferência e valores mínimos para o crédito são variados. Segundo Cohen, já foram movimentados R$ 100 milhões de propostas de crédito desde abril deste ano.