Startup compra direito para remédio famoso de 60 anos e sobe preço em 5.000%

Da Redação

Por Da Redação

22 de setembro de 2015 às 09:38 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

SÃO PAULO – Uma startup de “biotech” (tecnologia biológicas) está levando muita, muita polêmica nos Estados Unidos. A Turing Pharmaceuticals comprou os direitos de comercialização do remédio Daraprim, usado para tratar toxoplasmose, causada por um parasita e que pode ser fatal para quem é imunodeprimido.

Até aí tudo bem. O problema é que a Turing subiu o preço do remédio, usado por mais de 60 anos, de US$ 13,50 por pílula para US$ 750 por pílula – uma alta de 5.000%, mostra o Business Insider. Até Hillary Clinton, candidata à presidência dos EUA pelo partido democrata, chamou o movimento de “um absurdo”.

Martin Shkreli, CEO da empresa e ex-gestor de hedge fund, falou que a empresa precisa ter lucro com o remédio – e que os donos antigos estavam dando o remédio de graça. E que aos US$ 750 por pílula, o Daraprim ainda era mais barato que os concorrentes.

Além dos custos de distribuição do remédio, que cresceram e precisam ser atualizados (o que não justifica uma alta de 5.000%), a empresa quer usar o dinheiro para fazer uma “versão melhor” do remédio. Shkreli prometeu que a alta do preço do remédio não será um problema e que quem o utilizar e não tiver dinheiro para continuar o tratamento o receberá de graça.

Contudo, ele não parece se importar muito com a saúde das pessoas. “Todas as vezes que um remédio ganha uma versão genérica, eu fico triste. Não vamos pesar pelos recém-falecidos, vamos celebrar os lucros e novos ativos que eles nos trouxeram”, disse no Twitter.