Startup brasileira quer acabar com cartões de visita

Avatar

Por Júnior Borneli

1 de Maio de 2015 às 15:34 - Atualizado há 6 anos

Logo Novo Curso

Transmissão exclusiva: Dia 08 de Março, às 21h

Descubra os elementos secretos que empresas de sucesso estão usando para se libertar do antigo modelo de Gestão Feudal de Negócios.

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

O cartão de visitas é um grande aliado de qualquer empreendedor para o relacionamento com os clientes. Porém, o destino de muitos é a gaveta, a carteira ou mesmo a lata de lixo. A startup brasileira CardList (www.cardlist.com.br) lança em abril um aplicativo gratuito que permite criar, distribuir e armazenar cartões digitais, e torna a tradicional ferramenta mais eficiente.

Quer ter sucesso com sua startup? Cadastre-se no StartSe e fale com investidores e mentores. Acesse www.startse.com.br. É gratuito.

“O empreendedor cria seu cartão em três passos: cadastro, personalização e distribuição”, explica Douglas Muniz, sócio-fundador da CardList. Após definir um nome de usuário (ID) e inserir os dados cadastrais – área de atuação, endereço, telefone, e-mail, etc. –, o aplicativo automaticamente cria o cartão digital, que pode ser customizado com cores e logomarca. O empreendedor, então, dá início à divulgação por meio do aplicativo e das redes sociais.

Os consumidores, por sua vez, buscam prestadores de serviço ou profissionais através de geolocalização, ramo de atividade ou nome de usuário, salvando quantos cartões quiserem. “Os dados são armazenados em nuvem, o que evita a perda de contatos de interesse”, afirma Muniz, que teve a ideia do aplicativo quando resolveu guardar o cartão de um taxista.

Os microempresários e autônomos, que dependem muito dos cartões de visita para a divulgação do negócio, podem ainda contar com uma espécie de “páginas amarelas” virtual, em que é possível anunciar o serviço por R$ 10 mensais.

Disponível para Android e iOS, o aplicativo quer alcançar 10 mil usuários até o fim de maio. Com isso, o objetivo é atingir faturamento de R$ 300 mil.