Quero Educação trabalha em expansão no país e vestibular próprio

Após temporada no México, a startup planeja crescer ainda mais no Brasil antes de se internacionalizar

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

31 de outubro de 2017 às 14:22 - Atualizado há 2 anos

Quero Educação

A Quero Educação é uma das maiores startups do Brasil e possui a missão de tornar o ensino superior mais acessível no país. Através do “Quero Bolsa”, a Quero une alunos e faculdades com vagas ociosas, oferecendo-as por um preço reduzido.

Em agosto de 2016, a Quero foi investida pela maior aceleradora do mundo, Y Combinator e, neste ano, pela 500 Startups. Agora, a Quero planeja os próximos passos para o crescimento no Brasil, antes de expandir-se no mundo. Um desses passos é a realização de um teste de admissão para alunos próprio da Quero Bolsa.

A equipe da startup está trabalhando para realizar um teste válido para todos os cursos que o aluno se inscrever na Quero Bolsa. Assim, ao invés de realizar vários vestibulares, o aluno realiza um e escolhe em quais cursos quer aplicá-lo na Quero Bolsa.

“Nós crescemos muito desde a aceleração da Y Combinator, mais do que o dobro da empresa, e agora estamos investindo em desenvolvimento de produto” afirma Bernardo de Pádua, fundador e CEO da Quero Educação. O time de engenheiros cresceu de cerca 10 pessoas para quase 50 pessoas trabalhando em produto.

Expansão no Brasil

A Quero Educação atendeu a 90 mil estudantes no ano passado e, para Bernardo, esse é só o começo. “Nós acreditamos que estamos fazendo uma empresa que muda a educação no Brasil e estamos apenas nos 10 minutos do primeiro tempo da partida de futebol – ainda temos muito para crescer”, afirma.

Os próximos passos no Brasil para a Quero é continuar crescendo como empresa e como facilitadora entre as universidades e alunos, trazendo mais conteúdo para os estudantes estarem mais informados inclusive sobre financiamentos à longo prazo, entre outros.

Internacionalização

Neste ano, a Quero Educação participou do MECATE, uma iniciativa da Escuela de Gobierno y Transformación Pública Tecnológico de Monterrey, e fizeram uma imersão no ecossistema educacional e empreendedor mexicano. “Ficamos sabendo que eles possuem os mesmos problemas que nossos estudantes têm, mas o mercado de universidades privadas é mais novo e menos desenvolvido do que no Brasil”, diz o CEO da Quero.

Está nos planos da Quero Educação participar mais ativamente no México, mas o foco, no primeiro momento, ainda é o Brasil. “Definitivamente está em nossos planos expandir internacionalmente, estamos decidindo como fazê-lo, se será na América Latina ou outros países. Mas ainda há muito o que fazer no Brasil”, conclui Bernardo de Pádua, CEO da Quero Educação.

A Quero Educação é uma das maiores startups do Brasil. Eles estão acelerando o mercado de educação no Brasil, trazendo pessoas para cursos que elas não fariam. Isso é parte da Nova Economia: maximizar os recursos através da tecnologia – fazendo uma economia mais humana.