Achou o saque do Nubank caro? Compare com os outros serviços digitais

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

12 de dezembro de 2018 às 11:54 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

O Nubank lançou a função saque nesta terça-feira (11) a partir da NuConta, mas a tarifa cobrada (6,50 reais por uso) pela fintech foi considerada cara por alguns usuários.

StartSe preparou um comparativo entre todos os serviços oferecidos por fintechs, bancos digitais e outras instituições financeiras.

Nesta comparação, apenas o Nubank e Neon são consideradas fintechs. As opções restantes são empresas financeiras ou até mesmo bancos criados a partir de outros já existentes. O Next pertence ao Bradesco, por exemplo, enquanto o Original é controlado pela holding J&F. Já o Agibank foi criado a partir do banco Agiplan, de Porto Alegre.

Confira o comparativo:

Tarifas de saques

Agibank: até quatro saques por mês gratuitos em caixas 24h e tarifa extra de R$ 6,49 para os excedentes. Em lotéricas, o limite é de 2 saques por mês, com tarifas extras de R$ 3,99.
Banco Inter: gratuito e ilimitado.
Banco Original: gratuito e ilimitado.
Neon: primeiro saque do mês é gratuito. Os restantes possuem a taxa de R$ 6,90.
Next: ilimitados e gratuitos.
Nubank: taxa de R$ 6,50 por saque.

Cartão de crédito sem anuidade

Agibank: sem anuidade por 12 meses, depois passa a cobrar R$ 4,99 por mês para os cartões emitidos pelo aplicativo. Já os que são emitidos em ponto de atendimento possuem a taxa mensal de R$ 12,99.
Banco Inter: gratuito por tempo indeterminado.
Banco Original: varia de acordo com cartão escolhido, mas para o MasterCard Internacional Básico há isenção de anuidade.
Neon: gratuito por tempo indeterminado.
Next: gratuito por tempo indeterminado no pacote mais básico, chamado de “Na Faixa”.
Nubank: gratuito por tempo indeterminado.

Taxa de manutenção de conta

Agibank: isento.
Banco Inter: isento.
Banco Original: R$ 9,90 mensais.
Neon: isento.
Next: isento no pacote mais básico, o “Na Faixa”.
Nubank: isento.

Transferências gratuitas para outros bancos

Agibank: disponibilizadas quatro transações gratuitas por mês. A tarifa extra é de R$ 1,90.
Banco Inter: gratuito e ilimitado.
Banco Original: gratuito e ilimitado (valores estão dentro da mensalidade).
Neon: uma transferência por mês é gratuita, já as demais são de R$ 3,50. No caso da Neon+, conta para clientes que realizam mais de 10 transações pelo cartão da fintech por mês, as transferências se tornam gratuitas e ilimitadas.
Next: uma transação por mês. As demais possuem o valor de R$ 10 por meios eletrônicos e R$ 18,40 no presencial.
Nubank: gratuito e ilimitado.

A pedra no sapato das fintechs

As maiores taxas que as fintechs ou bancos digitais possuem hoje estão nos saques. Essa é a única tarifa que existe na NuConta, por exemplo, e que não foi possível ser zerada, mesmo tendo o Nubank a maior conta digital da América Latina.

Isso contrasta diretamente com os custos das transações. Até então, por não possuírem agências físicas, as fintechs e contas digitais já possuem uma grande economia – que é repassada aos clientes. No caso dos saques, a iniciativa não depende dessas empresas.

“Quando falamos de fintech, falamos muitas vezes de negócios 100% digitais. No entanto, quando vamos para o offline, há diversos custos com logística, segurança e seguro sobre os valores depositados nos caixas eletrônicos”, comenta Mathias Fischer, presidente da fintech Meu Câmbio.

Felizmente para as fintechs, a necessidade de realizar saques está se tornando cada vez mais incomum. “Hoje em dia, eu não ando mais com dinheiro em papel. Não me lembro da última vez que saquei dinheiro no caixa eletrônico. Isso acontece com uma boa parcela da população. Por podermos pagar no celular, o saque entrará em desuso”, prevê Paulo Deitos, presidente da fintech CapTable.

Enquanto isso não acontece, a expectativa é que o saque continue a ser uma pedra no sapato dos bancos digitais. Por estarem em um “voo solo” com seus investidores, as fintechs não conseguem diluir o custo dessas transações como os grandes bancos fazem.