Por que a preocupação número #1 dos investidores também deveria ser a sua (e qual é a melhor solução)

Avatar

Por Gabriel de Oliveira Cordeiro

5 de abril de 2019 às 11:10 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

Não, não é o medo de vender ações e elas valorizarem 200% uma semana depois…

… também não é o medo de novas leis regulamentadoras…

… muito menos o medo de que todas as suas empresas quebrem repentinamente.

O medo número um deles é uma preocupação que investidores mais experientes não tinham há alguns anos.

E esse medo tem nome: cibersegurança.

Quase ⅔ dos investidores acreditam que os negócios precisam trabalhar e aprimorar a confiança dos consumidores, tornando a cibersegurança uma prioridade.

E não é para pouco: toda semana, novas notícias sobre ataques de hackers são publicadas.

Investidores nunca estiveram tão receosos quanto agora.

Um estudo veiculado pela PwC Research and Insights mostrou que 41% dos investidores e analistas estão “extremamente preocupados” com cyber ameaças, apontando como o fator principal de risco para os negócios. Donos de empresas, por outro lado, colocaram “regulamentação excessiva e terrorismo” como os maiores fatores de risco, apesar de que 40% colocaram “cyber ameaças” ao menos no top 3 das preocupações.

Além disso, 85% dos investidores veem a tecnologia disruptiva como uma ameaça ao crescimento, enquanto apenas 64% dos CEO’s pensam da mesma forma.

Aparentemente, otimismo não é uma característica predominante na maioria dos investidores.

Mas nesse caso… eles, provavelmente, estão certos em ter receios.

“Nova análise da Intercity Technology revela que apenas 5% das empresas que oferecem serviços financeiros dizem estar completamente cientes sobre o funcionamento das soluções oferecidas para manter a segurança da nuvem.”

 

Enquanto isso, as Fintechs avançam e carregam nas costas uma grande responsabilidade para o futuro: conquistar a confiança dos investidores e soluções inovadoras para a cibersegurança.

Afinal, qual é mais seguro: banco ou fintech?

O professor da FIA (Fundação Instituto de Administração) e da Insper deu o seu parecer:

Fonte: Uol Economia

 

Apesar do debate, fato é que: o aumento da popularidade (e faturamento, claro) das Fintechs tem assustado os banqueiros. 

Especialmente, depois de 2018 onde tivemos 4 unicórnios brasileiros sendo Fintechs. 

Definitivamente, os bancos não querem ficar de fora desse mercado bilionário.

Por isso, estão buscando se aproximar cada vez mais dessas startups – e não são só eles. 

Não é à toa que investidores, empreendedores e diversos profissionais do mercado financeiro irão se reunir no dia 22 de maio no Pro Magno Centro de Eventos para a Fintech Conference 2019.

Todos buscando saber mais sobre como nadar nesse mar de lucratividade

No evento, os participantes terão acesso a…

  • Palestras com os maiores players e empresas que estão revolucionando o mercado financeiro (elas vão compartilhar tudo o que sabem para que você possa se beneficiar dessa nova onda)
  • Principais tecnologias utilizadas e tendências no setor das Fintechs
  • Networking intenso com investidores de elite e representantes de empresas consolidadas
  • Informação privilegiada sobre as oportunidades mais quentes do mercado

A boa notícia é você também pode comparecer ao evento e ter acesso à esses insights milionários!

A má notícia é que os ingressos com desconto de 40% estão disponíveis por tempo limitado.

Se você quer garantir seu lugar com um investimento mais barato, clique aqui e garanta sua participação!