Pinterest registra pedido por IPO

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

25 de março de 2019 às 13:10 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

O Pinterest registrou, nesta sexta-feira (22), seu pedido por uma oferta pública inicial de ações. A plataforma de imagens planeja se tornar uma empresa de capital aberto através da NYSE, bolsa de valores de Nova York – a mesma que a Uber teria escolhido.

No pedido, a empresa afirma que possui mais de 250 milhões de usuários em todo o mundo. Entretanto, o Pinterest ainda não é uma empresa lucrativa e não espera mudar esse cenário em um futuro próximo. Ainda não há previsão de quanto planeja levantar na primeira oferta pública de ações.

Em 2018, a receita da companhia superou US$ 750 milhões. No entanto, ela afirma que em dezembro de 2018, seu déficit acumulado era de US$ 845,4 milhões. No documento, o Pinterest se descreve como uma “ferramenta de produtividade para o planejamento de sonhos”.

A rede social é conhecida pelo compartilhamento de fotos. Elas são salvas por outros usuários em suas páginas ou organizadas em coleções, permitindo a criação de uma pasta de referências, por exemplo.

O maior diferencial retratado pela empresa em comparação a outras redes sociais é que ela une “ferramentas e mídia”, trazendo sistemas de buscas comuns de e-commerce para uma rede social com linha do tempo, entre outros.

A plataforma é gratuita e seu modelo de negócios se baseia em publicidades. Como uma estratégia de crescimento, o Pinterest deseja atrair mais anunciantes e estender a relação com os que já anunciam.

Desde que foi criada, em 2010, a companhia já levantou US$ 1,5 bilhões. Entre os investidores, estão o Bessemer Venture Partners, FirstMark Capital, Andreessen Horowitz e Fidelity Investments.