O Snapchat só torrava dinheiro, mas achou uma maneira fácil de lucrar muito

Avatar

Por Júlia Miozzo

13 de novembro de 2015 às 13:14 - Atualizado há 5 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 16 a 19/Nov, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

O Snapchat, embora avaliado em US$ 16 bilhões, nunca foi uma startup lucrativa: desde que foi fundada até pouco tempo atrás, ela mais perdia dinheiro do que ganhava – chegou a perder US$ 3 bilhões em um ano. Embora seja uma ideia promissora, até recebendo proposta de compra do Facebook, ela ainda não havia encontrado uma maneira de lucrar.

As funções Discover e de história Ao Vivo foram algumas das medidas feitas pela startup que permitiram que algumas marcas pagassem para ter conteúdo em ambas e, assim, gerasse alguma receita significativa para empresa. Em setembro, a startup criou a função Lentes, que permite que os usuários coloquem animações em suas selfies, como um monóculo e um bigode ou que ilustra o usuário cuspindo um raio. E finalmente isso pode ser o turning-point do Snapchat de “máquina de torrar dinheiro” para “máquina de imprimir dinheiro”. 

A cada dia, uma nova lente é incluída e substitui alguma antiga. O novo recurso foi lançado no mesmo dia em que o Snapchat também passou a cobrar por “replays” extras das mensagens dos amigos. Nesta sexta-feira (13), a startup passou a cobrar, também, por novas lentes que não vão expirar, por US$ 0,99 cada. Diariamente, 30 lentes pagas serão disponibilizadas, com algumas antigas que já não existem novamente disponibilizadas.

Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Austrália, Brasil e Arábia Saudita já são alguns dos países em que as novas lentes estão disponíveis.

Segundo o The Verge, as lentes são usadas em mais de 10 milhões de snaps diariamente – em contrapartida, os filtros de geolocalização são usados apenas em 1 milhão. E além dos filtros pagos, a empresa também descobriu uma outra maneira de lucrar: filtros patrocinados. A Fox, por exemplo, promoveu o filme The Peanuts Movie em uma das lentes.

A estratégia do app parece ser uma das mais justas: oferecer todas as suas funções gratuitas, mas deixar que o usuário pague por alguns extras.