O que o Magazine Luiza quer ao comprar mais uma startup

Avatar

Por Diogo Max

14 de dezembro de 2018 às 13:25 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O Magazine Luiza comprou a startup Softbox, de Uberlândia, em Minas Gerais. O anúncio da aquisição ocorreu nesta sexta-feira (14) e revela um pouco do plano da gigante do varejo brasileiro, que tem dado um banho nos rivais quando o assunto é comércio eletrônico.

“A grande maioria das empresas brasileiras ainda está excluída do mundo digital, sem acesso a nenhum marketplace. Com a incorporação da Softbox, o Magazine Luiza vai ajudar na transformação de companhias analógicas em empresas digitais”, diz a empresa.

Fundada há 13 anos, a Softbox possui 256 funcionários, sendo 174 desenvolvedores e especialistas em tecnologia, e oferece soluções para empresas de varejo e indústria de bens de consumo que desejam vender digitalmente ao consumidor final.

A Softbox tem, hoje, cerca de 80 clientes, incluindo empresas como Unilever, Coca-Cola, Basf e Red Bull. O valor da aquisição não foi divulgado pelas duas empresas.

Marketplace

Mas o que exatamente o Magazine Luiza quer com a Softbox?

A empresa está de olho em ampliar toda sua cadeia de marketplace, uma espécie de shopping center virtual, reunindo diversos produtos de várias lojas.

O Magazine Luiza quer aliar-se a varejistas e indústrias “em todos os passos” da venda online, isto é, “desde a chegada ao mundo do varejo digital, passando pela venda em seu marketplace, até a entrega para o cliente final, utilizando o Magazine Luiza Entregas”

Ou, como a própria companhia diz, um “ciclo completo” — tal qual a Amazon.

“Isso marca um novo ciclo de transformação do Magazine Luiza: de varejista multicanal para uma plataforma digital, ou seja, um ecossistema, baseado em tecnologia, dados e processos digitais”, afirma a empresa.

Essa é a terceira startup que o Magazine Luiza compra em pouco mais de um ano. As outras foram a Integra, especializada na integração de comércios eletrônicos a marketplaces, e a Logbee, de tecnologia logística.

Segundo a empresa, essas aquisições devem ajudar o Magazine Luiza a acelerar os projetos que estão em andamento, como o serviço de entregas e de pagamentos.