Nova startup brasileira promete ser uma alternativa ao Uber – com diferenças

Avatar

Por Júlia Miozzo

23 de fevereiro de 2016 às 13:11 - Atualizado há 6 anos

Logo Novo Curso

Transmissão exclusiva: Dia 08 de Março, às 21h

Descubra os elementos secretos que empresas de sucesso estão usando para se libertar do antigo modelo de Gestão Feudal de Negócios.

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

O aplicativo WillGo funciona como uma alternativa ao Uber, mas com algumas diferenças no modo como funciona: ele permite a autogestão e pagamento direto ao motorista, além de permitir o agendamento de caronas com até 48h de antecedência e deixar que o usuário selecione seus condutores favoritos.

Outro fator que o difere do Uber é o fato de não cobrar uma porcentagem do faturamento de corridas, mas sim uma taxa fixa anual, trimestral ou bianual. “Funciona como uma assinatura para obter a licença de uso da ferramenta durante aquele período específico. O pagamento da corrida é feito por cartão de crédito e vai direto para o bolso do prestador de serviço”, explicou o diretor da startup no Brasil, Gabriel da Silva.

Não existem grandes restrições quanto ao modelo do veículo ou a cor e, por isso, o objetivo da startup é incentivar o empreendedorismo por meio do transporte – por exemplo, motocicletas podem fazer a entrega de outros objetos e documentos.

“De um lado, ajudamos quem quer trabalhar com o carro ou outro veículo e, de outro, aumentamos a oferta dos serviços de entrega”, explicou o diretor.

Para os passageiros, a principal vantagem é que o aplicativo não utiliza tarifas dinâmicas, que podem ser mais caras conforme o horário em que o pedido é feito. No WillGo, os preços são fixos e variam conforme o veículo requisitado e a quilometragem da corrida.

O aplicativo está disponível para Android e iOS para cadastros dos motoristas. Os interessados devem ter em mãos a carteira de motorista regularizada, tal como os antecedentes criminais. As operações do serviço devem começar em março deste ano.