Nova política de privacidade do Spotify assusta por alto grau de espionagem

"Com sua permissão, nós podemos coletar informações armazenadas em seu aparelho celular, tal como seus contatos, fotos ou arquivos de mídia", diz a nova política

Avatar

Por Júlia Miozzo

21 de agosto de 2015 às 14:53 - Atualizado há 5 anos

SÃO PAULO – A nova política de privacidade do Spotify – aquela que poucas pessoas fazem questão de ler – pode priorizar tudo, menos a privacidade do usuário. Segundo o CNN Money, ela agora permite que o Spotify rastreie sua localização, colete suas fotos e navegue por seus contatos do celular, além de poder ver seus posts do Facebook e compartilhar algumas dessas informações com os anunciantes.

“A privacidade e segurança dos dados de nossos usuários é – e continuará sendo – a maior prioridade do Spotify”, explicou a empresa, que alega que ter acesso a tais dados pode ajudar a empresa a adaptar as experiências que oferece a cada usuário e construir “novos produtos personalizados para o futuro”.

O Spotify Running, nova função do Spotify, já utiliza o GPS para medir a velocidade de corrida do usuário – ele combina as batidas por minuto das músicas que escolhe com o ritmo de sua música. A nova seção Descobertas da Semana, que seleciona músicas específicas com base nos gostos do usuário, usa informações do smartphone para descobrir o gosto musical do usuário.

“Com sua permissão, nós podemos coletar informações armazenadas em seu aparelho celular, tal como seus contatos, fotos ou arquivos de mídia”, diz a nova política. “Nós podemos também coletar informações sobre sua localização com base, por exemplo, na localização GPS de seu celular ou outras formas de localizar dispositivos móveis.”

A empresa diz que pode compartilhar essas informações com terceiros, como anunciantes. O máximo que pode ser feito é desativar a opção “Sim, compartilhar minhas informações com terceiros” no aplicativo do Spotify.