Nos EUA, aplicativo permite usuário ganhar dinheiro com suas selfies; entenda

Avatar

Por Júlia Miozzo

13 de fevereiro de 2015 às 15:45 - Atualizado há 6 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

SÃO PAULO – As selfies podem ganhar uma denotação graças a um novo aplicativo: não mais somente um reflexo de vaidade, elas passam a ser lucrativas. Nos Estados Unidos, uma empresa desenvolveu tecnologias para as pessoas ganharem dinheiro com a “febre” dos últimos anos.  

Depois de apostar em uma cabine de fotos que deixava os consumidores tirarem foto de suas roupas, postá-las nas redes sociais e deixar outros usuários comprarem seu ‘look’, a companhia de tecnologia Stylinity lançou um aplicativo móvel na semana passada que permite a compra de peças de roupas através de fotos geradas por usuários.

No caso, as pessoas podem tirar uma foto de seu conjunto, usar um leitor de código de barras para levantar as informações de cada item e compartilhar nas redes sociais. Cada produto da foto está marcado, então ao clicar em um botão escrito “I want this” (“eu quero isto”), os interessados são direcionados para a página específica da loja na internet.

Os usuários ganham pontos de recompensa por fazer o upload de imagens para o aplicativo ou por comprar as roupas de outro usuário. As comissões podem chegar até 20% da venda, dependendo do relacionamento do vendedor com o Stylinity, e podem ser trocadas por dinheiro, produtos ou outras vantagens.

A empresa já trabalha com 180 varejistas, incluindo a Barney’s New York, Urban Outfitters, Nordstrom e Ann Taylor. “O que estamos fazendo é remover o desgaste do caminho para a compra”, disse o fundador e CEO da Stylinity à CNBC, Tadd Spering.

Spering não compartilhou dados específicos da empresa, como base de usuários ou número de posts, mas afirmou ter visto um aumento semanal de 19% no número de usuários nos últimos três meses. Ele ainda disse estar animado com a perspectiva para as redes sociais em 2015. “Acho que vai ser um bom ano para o comércio social”, disse Spering.