No segundo ano de operações, startup Konduto cresce 50 vezes

Avatar

Por Júlia Miozzo

19 de janeiro de 2016 às 11:01 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Com mais de 1 milhão de transações mensais em 2015, a startup Konduto, plataforma com soluções antifraude para o e-commerce, tem como meta triplicar os números do ano passado. Criada em 2014 pelos empresários Tom Canabarro e Milton Tavares Neto, a empresa atualmente conta com 120 clientes.

Utilizando tecnologia própria, ela é capaz de detectar e barrar fraudes de pagamentos nos e-commerces via cartão de crédito. Ela analisa o comportamento de navegação dos clientes durante o tempo de compra e, com o algoritmo de machine learning, cruza todas as informações coletadas para serem avaliadas e, então, analisa os dados e transações suspeitas para entregar um relatório completo para os lojistas orientando quais compras devem ser aprovadas, revisadas ou negadas.

“Um dos nossos diferenciais é reduzir os custos de operação para os lojistas e garantir uma transação segura para o cliente e os comerciantes. Todo o processo é realizado em tempo real, evitando que o pedido do cliente demore muito tempo para ser aprovado. Dessa maneira, conseguimos impactar positivamente a performance dos negócios”, disse Tom Canabarro, cofundador da startup.

A ideia de fundar a startup surgiu em 2013, quando Tom Canabarro trabalhava em um gateway de pagamento e Milton Tavares Neto em uma empresa de publicidade online que usava machine learning para anúncios, e decidiram unir suas experiências profissionais para combater as fraudes no e-commerce.

“Um dos pontos principais no e-commerces brasileiro atualmente é a falta de eficiência no processo e análise de risco. No Brasil ainda cometemos erros básicos de operações que precisam ser melhorados, mas o nosso País tem potencial para ser um dos maiores mercados de comércio eletrônico do mundo. Para 2016, o cenário é positivo. Nossa meta é dobrar o número de transações verificadas e expandir a atuação para os mercados internacionais, como Estados Unidos e América Latina”, finaliza Canabarro.