Neuralink, criada por Elon Musk, quer conectar cérebro humano a computadores

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

17 de julho de 2019 às 10:25 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 22 a 25/Fev - 2021, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Elon Musk anunciou, nesta terça-feira (16), novos detalhes sobre a Neuralink, startup fundada por ele em 2017. Musk realizou um evento com transmissão online para falar sobre as expectativas da empresa e, principalmente, recrutar novos talentos. O empreendedor está trabalhando em um chip com pequenos fios transmissores que podem ser implantados em cérebros humanos para diversas funções.

Musk afirmou que o objetivo é ler pontos do cérebro e criar um laço neural entre as pessoas e a tecnologia. Trata-se, segundo ele, de “alcançar uma espécie de simbiose com a inteligência artificial”. Com a solução, a empresa espera resolver distúrbios cerebrais e recuperar capacidades de pessoas com algum tipo de deficiência, como amputados, cegos, mudos ou surdos. 

Dados podem ser controlados por aplicativo.

Os sensores serão implantados por um robô que funciona como uma “máquina de costura”. Pequenas agulhas perfuram o cérebro para inserir fios com cerca de um terço do diâmetro do cabelo humano capazes de captar dados e enviá-los para um receptor do lado de fora da cabeça. A análise de informações e comunicação com o cérebro será feita por Bluetooth em um aplicativo. 

Futuramente, a empresa ainda planeja tornar a implantação menos invasiva, através de um laser. Os primeiros experimentos serão realizados em neurocientistas da Universidade de Stanford. Segundo Musk, a expectativa é de lançar a tecnologia até o final de 2020 e expandir a equipe — que hoje possui 90 funcionários.