Para a Embraer, o futuro está na mobilidade urbana aérea – e ela já está trabalhando nisso

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

24 de agosto de 2018 às 13:45 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Já imaginou como seria se os aviões fizessem parte do nosso dia a dia e da mobilidade urbana? Para André Stein, head de estratégia da Embraer X, este não é um futuro distante. “Hoje temos um grande problema de trânsito nas cidades. A parte mais dolorosa não são os milhares de quilômetros percorridos em uma viagem de avião, mas os poucos para chegar em casa do aeroporto”, ressaltou o executivo durante o Mobility Day 2018.

Pensando nisso, a companhia, há mais de 50 anos no mercado e referência em aviação no Brasil e no mundo, já está planejando uma forma de mudar esse cenário. Assim nasceu a Embraer X, organização dedicada ao desenvolvimento de negócios inovadores e disruptivos. Segundo Stein, a Embraer também está presente nos principais centros de inovação: Vale do Silício, Boston e em breve China.

A companhia tem como visão de futuro tornar a aviação parte do cotidiano das pessoas – e por que não um complemento para carros, bicicletas ou transportes públicos? Foi então que anunciou, há pouco tempo, o eVTOL, um veículo aéreo semelhante à um helicóptero, mas com um propósito novo: oferecer serviços de mobilidade urbana.

“Temos em nosso site o build your eVTOL, um espaço onde as pessoas podem entrar e dar sugestões do que esperam desse novo veículo”, explicou Stein. A ideia é que todos possam usar o serviço, que está sendo desenvolvido por meio de uma parceria com a Uber, e torná-lo parte do dia a dia – seja para ir ao trabalho ou voltar para casa depois de um compromisso.

Desafios

Segundo o executivo, inovar no setor aéreo envolve alguns desafios. O primeiro deles é transmitir segurança ao cliente. “Muitas pessoas tem medo de voar. Queremos trazer uma solução intuitiva, em que elas se sintam seguras”, ressaltou. O segundo, é justamente quebrar barreiras em um mercado tradicional. “A aviação sempre foi um mercado mais conservador, já que existem muitas regulações e práticas de segurança”, explicou Stein. Por fim, trazer a inovação e mudar a mentalidade dentro da companhia também é um desafio.

Para Stein, o segredo é começar aos poucos, inovando incrementalmente. “Podemos criar uma nova história na aviação, mas começando de baixo”, ressaltou. Segundo o executivo, os planos da Embraer para o futuro envolvem colocar em prática o eVTOL e avançar ainda mais na criação de outras soluções disruptivas.

Foto: Eduardo Viana