Google investe na startup de mobilidade Convoy, que se torna unicórnio

A mobtech recebeu aporte no valor de US$ 185 milhões liderado pelo fundo de investimentos do Google, o CapitalG

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

21 de setembro de 2018 às 11:39 - Atualizado há 1 ano

O Google investiu, através de seu fundo de venture capital “CapitalG”, na Convoy – uma startup de mobilidade urbana focada em caminhões. A mobtech já havia recebido investimentos de grandes nomes, como Bill Gates e Jeff Bezos, e agora conta com o Google como um de seus investidores.

Segundo a Convoy, o aporte foi de US$ 185 milhões em uma rodada série C liderada pela CapitalG. Com o investimento, a startup atingiu o valuation de US$ 1 bilhão e se tornou um unicórnio. Além disso, um dos sócios do venture capital, David Lawee, passará a integrar o conselho da Convoy. Na rodada, também participaram os fundos de investimentos T. Rowe Price Group Inc., Lone Pine Capital LLC, além da Greylock Partners e Y Combinator, que já eram investidores da startup.

A startup atua no segmento de mobilidade realizando “matches” entre empresas que desejam entregar cargas e caminhoneiros, possibilitando o rastreamento da carga a partir do acompanhamento da rota. A Convoy ajuda a viabilizar, ainda, que caminhoneiros economizem ao possibilitar que carreguem cargas inclusive nas viagens de volta – algo que é realizado no Brasil pela startup CargoX.

Lawee afirmou que a CapitalG estava de olho na Convoy há alguns anos, atraída pela possibilidade de oportunidade de trazer mais eficiência ao setor de mobilidade de caminhões – agora, o venture capital tem certeza que a startup está cumprindo o que previa.

A startup já opera em todos os Estados Unidos, mas planeja utilizar o investimento para aumentar o tamanho de operações no país. Além disso, segundo a Bloomberg, a Convoy planeja melhorar os algoritmos que atuam na decisão e nos matches entre as empresas e caminhoneiros.

“Quando você pensa no que é ruim quando é um motorista de caminhão e o que é ruim quando deseja entregar cargas, nós queremos criar softwares que resolvem muitos desses problemas”, disse Dan Lewis, co-fundador e CEO da startup à Bloomberg.