Chinesa que comprou 99 se prepara para lançar serviço de transporte no Japão

Avatar

Por Isabella Câmara

19 de julho de 2018 às 18:21 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

GRATUITO, 100% ONLINE E AO VIVO

Inscreva-se para o Maior Programa de Capacitação GRATUITO para empresários, gestores, empreendedores e profissionais que desejam reduzir os impactos da Crise em 2020

Após uma joint venture com a SoftBank anunciada no início deste ano, a Didi lançou oficialmente seu serviço de transporte no Japão. A nova joint venture, que será denominada Didi Mobility Japan Corp, deve produzir seus primeiros frutos no próximo semestre, com o lançamento de um aplicativo de corridas em Tóquio, Osaka, Kyoto, Fukuoka e outras grandes cidades do país. Além disso, os usuários da Didi em Hong Kong e Taiwan também poderão usar o aplicativo para programar corridas em seu idioma nativo enquanto estiverem no Japão.

Assim como outras startups, a Didi oferece serviços de transporte por meio de um aplicativo  – como caronas, táxis e carros particulares. Porém, como no Japão o serviço de compartilhamento de caronas é ilegal, o lançamento da empresa no país não incluirá essa funcionalidade.

Além disso, de acordo com a própria empresa, a Didi planeja introduzir traduções do chinês para o japonês dentro do seu aplicativo na China. Com a mudança, a empresa permitiria que os passageiros japoneses conversem com motoristas chineses em tempo real por meio de mensagens instantâneas.

Expansão global

Ao contrário da Uber, que há anos vem perseguindo um roteiro global agressivo, a Didi adotou uma abordagem mais cautelosa em relação à sua expansão internacional. Mesmo com alguns anos de vida,  a Didi só lançou o seu primeiro serviço de transporte fora da China há poucos meses atrás, no México. Mas a expansão não abrange mais só o México – além de lançar o aplicativo na Austrália, a Didi adquiriu recentemente a 99 por cerca de R$ 960 milhões.

Embora a Uber ainda seja a líder global em serviços de transporte por aplicativo, pelo menos em termos de alcance, sua trajetória parece estar se movendo na direção oposta à da Didi. De fato, a Uber  vendeu seu braço chinês para a Didi em um negócio avaliado em US$ 35 bilhões em 2016, que foi seguido pela fusão da empresa com a Yandex.taxi na Europa Oriental. Em março deste ano, a Uber decidiu fundir suas operações com a Grab no Sudeste Asiático – e ainda há rumores de que a empresa está fazendo um acordo com a Careem no Oriente Médio.

O setor de mobilidade urbana está sofrendo uma enorme disrupção. Por ser tão disruptivo, fica difícil acompanhar todas as inovações e tecnologias que surgem nessa indústria. Buscando ajudar as pessoas a se manterem conectadas com as inovações da área, a StartSe lançou o Mobility Day em parceria com a WeMuv. Saiba sobre o evento e garanta sua participação!

Baixe já o aplicativo da StartSe
App StorePlay Store


(Via: Venture Beat)