Como o compartilhamento de APIs das cidades pode melhorar a mobilidade

Avatar

Por Isabela Borrelli

16 de agosto de 2018 às 18:30 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 22 a 25/Fev - 2021, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Ao contrário do Vale do Silício, o ecossistema brasileiro ainda sofre de um problema de confiança que está mudando aos poucos. Aqui ainda é muito comum a competitividade e falta de abertura entre os players, que ao invés de colaborarem entre si, alimentam um ambiente fechado. Dessa forma, não é surpresa que esse comportamento também esteja presente no governo.

Segundo Carlos Mira, fundador e CEO do TruckPad, um dos temas mais importantes quando falamos em mobilidade urbana é a forma como o governo lida com ela. “O poder público brasileiro não abre suas informações para que startups possam trabalhar em cima de problemas da mobilidade urbana de uma forma séria “, defende.

Como exemplo, Mira cita o caso de Palo Alto, uma das cidades mais importantes do Vale do Silício, que decidiu disponibilizar os APIs (conjunto de rotinas e padrões de programação para acesso a um aplicativo de software ou plataforma baseado na Web) de toda a arquitetura urbana, como sistema de esgoto, água, luz, telefonia, etc.. Isso permite que qualquer pessoa possa entender quais são os principais problemas enfrentados pelo poder público nesses setores.

“O não compartilhamento das APIs é uma questão de ignorância, de mindset antigo. O governo acha que tem um ativo preciosíssimo que ninguém pode contribuir ou ajudar, mas quem perde com isso são a cidade e as pessoas. O novo minset deveria disponibilizar os APIs e ver o que a comunidade pode criar e pensar para melhorar a cidade e fazer com que a mobilidade seja um tema praticado e não só debatido”, explica o CEO.

Para o especialista, uma das formas de tornar o tema uma prática é promover a união entre os profissionais de tecnologia. A partir daí, organizar demandas e pressionar os principais legisladores para aprovar projetos de leis que favoreçam medidas de inovação em mobilidade.

Carlos Mira será palestrante no Mobility Day, evento que tratará das principais inovações e disrupções na mobilidade urbana. Garanta a sua vaga: inscreva-se!