Mesmo com a crise, número de investidores-anjo cresce 30% em 2015

Avatar

Por Júlia Miozzo

14 de setembro de 2015 às 14:21 - Atualizado há 5 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

SÃO PAULO – Mesmo diante da crise econômica, o mundo das startups vê um crescimento cada vez maior. Segundo Camila Farani, vice-presidente da Gávea Angels, o número de investidores-anjo cresceu, neste ano, 30%.

Entretanto – graças ao clima ruim -, esse crescimento não foi suficiente para aumentar os recursos aplicados nas empresas. “Como estamos vivenciando um período repleto de incertezas econômicas, obviamente os investidores ficaram muito mais cautelosos para realizar qualquer aporte”, explicou. “De fato, até o momento do emprego de capital, a análise o estudo do real potencial do negócio está sendo realizado em um espaço maior de tempo”, concluiu.

As ideias que chamam mais atenção dos investidores-anjos são as que procuram solucionar problemas nas áreas da educação e saúde, “por se tratarem de setores vitais para o desenvolvimento humano”. Além disso, é importante que os sócios possuam características heterogêneas e complementares, tal como experiências profissionais relevantes – o que aumenta as chances da empresa receber um aporte.

Outro ponto importante é a auto avaliação sobre o propósito da startup: é preciso, antes de tudo, analisar se o produto ou serviço lançado tem o potencial de solucionar um problema ou falha real existente no mercado. “Feita a lição de casa e a resposta sendo positiva, os empreendedores precisam ter uma apresentação fiada com informações objetivas em relação ao tamanho do mercado com números, mapeamento de concorrência, potencial de lucratividade, futuro do negócio a longo e médio prazo, além das estratégias de venda”, explicou.