Mercado autônomo da Zaitt chega em São Paulo em fevereiro

João Ortega

Por João Ortega

25 de janeiro de 2019 às 07:30 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A startup Zaitt vai abrir, até o fim de fevereiro, uma loja autônoma em São Paulo. O mercado funcionará praticamente sem funcionários – apenas uma pessoa fica responsável pela reposição de produtos. Desde a entrada do consumidor no estabelecimento até o pagamento, tudo será realizado de maneira automatizada.

A startup aposta na inteligência artificial para simplificar todo o processo da compra. O acesso é controlado: clientes cadastrados no aplicativo entram na loja por reconhecimento facial – sem nem precisar tirar o celular do bolso. Depois de escolher seus produtos, ele pode sair do mercado sem passar no caixa. A conta é cobrada no próprio app.

Lojas autônomas já são uma realidade em algumas cidades dos EUA e da China, mas Roberto Passos, head de operações da Zaitt, revelou à StartSe que toda a parte tecnológica é desenvolvida dentro da empresa. Na América Latina, a startup é pioneira neste tipo de tecnologia.

O negócio da Zaitt

Apesar da loja piloto ter tido boa aderência em Vitória – foram cerca de 20 mil vendas em um ano – os mercados autônomos são um mostruário do que a tecnologia da Zaitt é capaz. “A ideia é fazer parcerias com varejistas renomados e oferecer a nossa tecnologia, com nosso modelo. Assim, o cliente deste player poderá ter a experiência da compra autônoma, que é o nosso forte”, explica Roberto Passos.

Em São Paulo, a previsão é de abertura de quatro lojas, sendo a primeira no bairro do Itaim Bibi até o fim de fevereiro. “A loja conversa e interage com o cliente. É toda uma experiência excepcional de consumo, que está tendo uma ótima recepção do público”, diz o head de operações.

Diferentemente da loja em Vitória, o mercado em São Paulo terá produtos que vão além da conveniência. Com o dobro do tamanho da primeira unidade, ela terá “a cara de um empório”, segundo Roberto, e permitirá novos testes com um público maior.