Maior startup do mundo tem projeto de US$ 100 mi e não paga funcionários com dinheiro

Da Redação

Por Da Redação

7 de julho de 2015 às 13:13 - Atualizado há 5 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

SÃO PAULO – O inovador projeto de Elon Musk, Hyperloop, parece que vai sair do papel. Uma startup não apenas comprou a ideia, como está organizada de uma maneira inovadora: ela não vai pagar os seus primeiros funcionários, que trabalharão apenas para conseguir uma participação futura na empresa – incluindo o presidente da empresa Dirk Ahlborn. 

O Hyperlook é uma espécie de trem bala dentro de um túnel, que eleva a velocidade e reduz os gastos de energia. Mas cada metro quadrado de Hyperloop construido sairia por alguns milhões de dólares, mostra o Business Insider, o que inviabiliza para a maioria dos investimentos. Só o “teste” da Hyperloop Transportation Technologies custará US$ 100 milhões. 

Para isso, a economia com os funcionários. Cada um dos mais de 400 trabalhadores e parceiros da HTT trabalha apenas 10 horas por semana no projeto da empresa, durante o tempo livre de seus trabalhos convencionais. Um modelo pouco convencional, mas que Ahlborn acredita ser capaz de atrair o melhor pessoal possível. 

Sua startup precisa de ajuda? No StartSe são mais de 2 mil investidores e mentores. Cadastre-se agora, é gratuito. Acesse www.startse.com.br.

“Nos provavelmente somos a maior startup do mundo. Temos um grande time, alguns que trabalharam em projetos de exploração de marte e até pessoas que trabalharam no Projeto Manhattan (o projeto que construiu a primeira bomba atômica do mundo”, afirma Ahlborn. 

O executivo destaca que a companhia deve continuar a trabalhar em modelos de negócio, embora continue pagando os funcionários em participações futuras. A companhia estima que o seu projeto deverá começar a ser construído em 2016 e será aberto para o público em 2018, ao custo de US$ 100 milhões. Ao menos não estão pagando os funcionários…