Startup Lilium planeja lançar frota de táxis-aéreos em 2025

Isabella Carvalho

Por Isabella Carvalho

6 de dezembro de 2019 às 18:48 - Atualizado há 12 meses

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Em 2025, poderemos ter táxis-aéreos circulando em diversas cidades. Durante a Slush, conferência de tecnologia que acontece anualmente na Finlândia, Remo Gerber, diretor comercial da startup Lilium, falou sobre os planos da empresa de lançar veículos de decolagem e aterrissagem verticais (eVTOL) em até cinco anos. 

A startup foi criada em 2014 e desde então vem desenvolvendo a Lilium Jet, aeronave elétrica, com capacidade para cinco pessoas e velocidade máxima de 300 km/h. O objetivo é usar o veículo para serviços de mobilidade. Em outubro deste ano, a startup concluiu seu primeiro teste de voo e anunciou uma instalação para a fabricação das aeronaves.

“Estamos falando de uma maneira fundamentalmente diferente de mover as pessoas rapidamente, por longas distâncias”, disse Gerber. “Acreditamos que isso cria novas oportunidades. Então é assim que você vai experimentar o futuro”. Durante o evento, o executivo falou sobre detalhes técnicos da aeronave e sobre a visão da empresa de reinventar o transporte e o relacionamento das pessoas com as cidades.

A Lilium possui 400 funcionários focados em desenvolver aeronaves e um aplicativo que permitirá que usuários acessem uma rede de plataformas de pouso em diversas cidades. Os clientes poderão solicitar um táxi-aéreo assim como um Uber.

“Esse é o tipo de tecnologia que pode realmente fazer a diferença em grandes cidades e ambientes urbanos menores”, disse Gerber. “Você pode, por exemplo, ficar em um grande centro da cidade e morar em outro lugar. E isso mudará como usamos nossa terra, como planejamos nossas férias e como conectamos diferentes sociedades em diferentes comunidades de uma maneira que simplesmente não é possível hoje”.