Lembra do smartphone modular? Uma startup fez antes do Google

Avatar

Por Paula Zogbi

3 de novembro de 2015 às 13:33 - Atualizado há 5 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

O Google e a Motorola já fizeram muito barulho com a promessa do smartphone que pode ser desmontado e montado feito lego, completamente dentro das expectativas dos usuários. O Projeto Ara, que já teve previsão de lançamento para janeiro de 2015 e agora só começará a ser testado, teoricamente, em 2016, é a grande promessa do Google desde a compra da patente, que era da Motorola. Mas provavelmente o gigante da tecnologia não esperava que uma startup de apenas 40 funcionários chegasse tão perto do que ele prometeu, e antes.

Anunciado em junho, o Fairphone 2 também é modular: o Ars Technica testou o dispositivo e o separou em sete blocos: proteção traseira, bateria removível, tela, chassi principal, receptor, câmera traseira e autofalantes. Se alguma dessas partes quebrar, por exemplo, o usuário poderá trocar facilmente – o mesmo valerá para quem quiser simplesmente trocar por uma peça melhor.

O processo de desmontagem/montagem do produto foi feito em apenas 20 minutos. Outra facilidade: todos os parafusos são iguais, então não é preciso quebrar a cabeça para saber qual peça vai onde. E é consciente também – a fabricação do aparelho evita minerais fabricados em zonas de conflito e de trabalho semi-escravo.

Apesar das vantagens, o celular não é dos melhores em suas configurações de fábrica: processador Snapdragon 801, tela de 5 polegadas, full HD (pequena para os padrões de top de linha das marcas mais famosas), memória RAM de 2 GB e câmeras de 8MP e 2MP. A bateria é de 2.420 mAh e o sistema operacional é o Android 5.1, o Lollipop.

Entre as ferramentas que poderão ser adicionadas estão carregamento wireless, NFC ou até células solares, tudo com a compra de uma capa externa. O preço está em 525 euros, o que significa aproximadamente R$2.200. Mas com toda a preocupação social, o lucro da empresa fica em apenas 9 euros por aparelho. Segundo a Fairphone, o aparelho dura cerca de cinco anos.