Para expert, Processamento de Linguagem Natural é o futuro do Direito

Avatar

Por Isabela Borrelli

10 de Maio de 2018 às 19:12 - Atualizado há 3 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A inteligência artificial é uma tendência inegável e, uma de suas vertentes, o Processamento de Linguagem Natural (PLN) promete impactar profundamente diversas áreas. Basicamente, ela é uma subárea da ciência da computação, inteligência artificial e da linguística que trata da compreensão da linguagem natural (em outras palavras, de como falamos normalmente).

Anand Upadhye, especialista em Direito e vice presidente da Casetext, ferramenta que melhora a busca de informações jurídicas combinada com inteligência artificial, estará presente no LawTech Conference e vê na PLN o futuro do Direito.

“O Processamento de Linguagem Natural ainda tem um longo caminho pela frente, especialmente relacionada a comunicações complexas, como na área legal, médica, etc.. Mas o que a área legal está tentando fazer, e nós também na Casetext, é criar  ferramentas de PLN de nível mais alto usando machine learning e inteligência artificial”, afirma o também advogado.

A tecnologia seria capaz de entender comandos sobre assuntos complexos assim como responder a eles como uma Siri, da Apple. Mas não é só: com uma ferramenta dessas, o trabalho de milhares de advogados poderia ser muito mais eficiente, uma demanda em alta nos Estados Unidos. “Há um grande incentivo nos EUA para advogados serem mais eficientes e precisos no modo como eles praticam o Direito… O trabalho que os seres humanos mais odeiam são os que robôs são melhores”, defende.

De fato, a tendência é que cada vez mais máquinas sejam capazes de realizar trabalhos repetitivos e maçantes, como pesquisa e organização de milhares de documentos, por exemplo. Upadhye aposta no caráter potencializador da tecnologia, a partir do qual os profissionais do Direito estarão cada vez mais se dedicando a um trabalho dinâmico, estratégico e, inclusive, mais centrado no cliente, que não precisará competir com horas e horas de pesquisa.

Apesar de revolucionárias, essas são só algumas tendências do Direito. Se você quiser ficar por dentro de tudo que está sendo transformado na área e conferir de perto tudo que Anand Upadhye tem para falar sobre o assunto, não perca a Lawtech Conference, que acontece no dia 15 de maio! Garanta já seu ingresso!