Investidor explica por que ignorou Uber (perdeu alta de 4.000 vezes)

"Fez sentido naquele momento", escreveu investidor de risco em artigo

Avatar

Por Paula Zogbi

15 de fevereiro de 2016 às 09:16 - Atualizado há 4 anos

Hoje, em 2016, o que você pensa sobre uma pessoa que deixou de lado a oportunidade de investir em uma startup que vale cerca de US$50 bilhões? O investidor John Greathouse fez isso, mesmo tendo sido contatado pelo CEO diversas vezes.

Em um artigo publicado na Entrepreneur, o investidor de risco explica que, além da rodada “seed”, ele também dispensou a chance de investir na rodada Série A do Uber, por simplesmente se recusar a enxergar o potencial da companhia. “Que pena”, escreve, mas “fazia sentido naquele momento”.

De acordo com ele, um amigo em comum entre Travis Kalanic, fundador do Uber, e sua empresa, a Rincon Venture Partners, falou sobre a rodada inicial de investimentos da startup em 2010 em um café da manhã – mas a empresa simplesmente não se interessou. Essa rodada cresceu cerca de 4.000 vezes: um investimento de US$ 250.000 valeria, hoje, mais de US$ 1,1 bilhão.

Naquela época, Greathouse acreditava que o Uber jamais daria certo em cidades muito grandes e com pouco engajamento tecnológico – hoje, sabemos que o caminho foi bastante diferente disso.

Alguns meses depois, uma terceira pessoa o contatou a respeito da startup. Ele, então, respondeu: “parece que eles estão oferecendo o serviço (via motoristas independentes”, certo? Se sim, não parece uma boa. Se estão vendendo algo que permita que motoristas independentes ganhem mais dinheiro, é um modelo de ônibus que cabe em todas as nossas teses de investimentos”. Na conversa, ele e o amigo comentavam que o serviço não tinha licença para operar taxis e que havia poucas áreas com oferta e demanda necessárias.

A conclusão do investidor é de que ele subestimou o Uber em duas áreas:

– Capacidade de criar um mercado robusto e com benefícios para ambos os lados;

– O uso dos clientes para conseguir entrar em mercados hostis.

Segundo ele, boa parte das startups não consegue criar um mercado de mão dupla e, com isso, aumentar o número de usuários. O Uber é um exemplo de como fazer isso corretamente.

Caso deixasse de ouvir apenas seus conhecidos e realmente tivesse escutado a proposta de Travis, ele diz, as coisas poderiam ter sido diferentes.