Instaviagem recebe investimento de R$ 2 milhões para acelerar sua plataforma de negócios

Da Redação

Por Da Redação

2 de julho de 2019 às 19:57 - Atualizado há 1 ano

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A Instaviagem, startup criada em 2017 pelos irmãos Caio Martins e David Andrade e o amigo Marcos Arata, para planejar viagens com base nas preferências de seus clientes, recebeu R$ 2 milhões de investimento. O aporte foi realizado pelo fundo de capital de risco Domo Invest.

“Há dois anos, não havia nenhuma solução no Brasil que, de fato, trouxesse experiências únicas aos viajantes. A grande maioria dos negócios nesse ramo continuam engessados, seguindo o modelo tradicional, de agência de viagem, que comercializa pacotes padrão”, explica o CEO da startup, Caio Martins.

A empresa “importou” um modelo americano de “viagem surpresa”, em que o cliente só descobre para onde vai dias antes do embarque. No início, o público alvo eram os grupos de mochileiros. Mas logo os sócios entenderam que seu principal público eram casais jovens, em busca de viagens românticas, e clientes que querem ser surpreendidos, e não desejam gastar tempo com a organização da viagem.

A startup é uma plataforma de viagens feitas sob medida para cada consumidor, a partir de algoritmos proprietários que contam com o histórico de mais de 10 mil contribuidores, além da curadoria de um time de especialistas. Desta forma, a startup entrega programas customizados para quase mil clientes por mês.

“Desde o início de nossas conversas, sentimos que a Domo Invest entendeu os nossos desafios e seria a melhor em nos ajudar a ganhar mais tração”, diz Martins. Com o dinheiro, os empreendedores pretendem escalar a operação dentro e fora do Brasil, além compartilhar a solução inovadora com operadoras de turismo.

Segundo dados recentes da pesquisa anual do World Travel & Tourism Council, no ano passado o setor movimentou US$ 8,8 trilhões e gerou 319 milhões de empregos em todo o mundo. Pelo oitavo ano consecutivo, o crescimento deste mercado superou a taxa de crescimento do PIB mundial. De acordo com a Embratur, em 2018, o mercado brasileiro recebeu US$ 5,92 bilhões de investimento somente de turistas estrangeiros.