InEvent permite a digitalização de eventos com até 100 mil participantes

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

24 de junho de 2020 às 15:04 - Atualizado há 5 meses

Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Com a chegada da pandemia no Brasil e o início da quarentena, empresas e produtores de eventos tiveram três alternativas: cancelar, adiar ou levar para o digital o que já estava programado.

O timing foi interessante para a InEvent, startup fundada pelos brasileiros Mauricio Giorgano, Pedro Góes e Vinícius Neris. A companhia, com sede nos Estados Unidos, estava desenvolvendo uma plataforma de transmissão para eventos online. Com a iminente necessidade, o produto “Lobby Virtual” foi acelerado e hoje está disponível. Os empreendedores afirmam que a ferramenta é capaz de suportar eventos com até 100 mil participantes online ao mesmo tempo.

A empresa nasceu em 2014, quando os fundadores ainda eram estudantes no campus de São Carlos da Universidade de São Paulo. A InEvent foi criada para trazer um caráter digital aos eventos presenciais, permitindo a realização de inscrições, gerenciamento de CRM, credenciamento e controle de acesso através da plataforma. Informações de logística, como planos de viagens (incluindo voos e hotéis) e listas de fornecedores também podem ser integradas.

Nas ocasiões presenciais, a startup possibilita que os participantes se engajem antes mesmo do evento, através de comunidades criadas em aplicativos próprios. Já nos eventos online, a InEvent permite que os participantes criem salas de conversa paralelas às de transmissão de evento, facilitando o networking.

StartSe Prime: conheça o streaming de conteúdo da StartSe com especialistas do Vale do Silício, Brasil e China

“A plataforma pode ser usada na exibição dos eventos e para fechar novos negócios de forma simultânea. Na InEvent, há a lista das pessoas presentes e quem ainda não entrou. O fato de estarem todos cadastrados, inclusive trazendo seus cargos, fortalece o nosso objetivo de ser uma plataforma não apenas de eventos, mas de conexões”, disse Pedro Góes, CEO da startup, em entrevista à StartSe.

Assim como um evento presencial, é possível que diversas trilhas de conteúdo aconteçam ao mesmo tempo através da plataforma da InEvent. Além disso, fica disponível com antecedência quem são os palestrantes, permitindo que os participantes marquem quais palestras querem assistir através do próprio aplicativo. “Para os patrocinadores, há a possibilidade de exibir banners, customizar layout e trazer as marcas para dentro da plataforma”, contou Góes.

A concorrência com Zoom e semelhantes

Na migração do presencial para o digital, muitos eventos foram realizados através de plataformas de videoconferências, como Zoom, Google Meet, Skype, Teams, entre outros. Mas a InEvent defende que possui uma solução mais completa para tal.

“Eu assisti eventos em plataformas de videoconferências que aconteciam uma sessão após a outra. Mas a sessão que eu estava assistindo atrasou e acabou sendo encerrada inesperadamente para cumprir o horário da própria sessão. Com a possibilidade de ter várias salas, não há este medo”, afirmou Vinicius Neris, chefe de receita da startup.

Para eventos que possuem workshops exclusivos, a plataforma da InEvent permite ainda um controle dos participantes que entram na sala. O fato de todos os participantes terem cadastros que vão além de nome e e-mail facilita na aquisição e qualificação de novos leads.

A internacionalização

Embora tenha sido fundada por brasileiros, foi uma opção estratégica da InEvent levar sua sede para os Estados Unidos. No início, os principais clientes da companhia eram multinacionais — embora o processo de compra fosse realizado nas filiais do Brasil, as decisões eram tomadas pelas matrizes nos EUA. Uma maior facilidade de escala também foi considerada na mudança.

“O Brasil tem um mercado bom para desenvolver software, mas a segurança dos dados no país ainda não possui uma credibilidade mundial. Empresas não se sentem confortáveis em dizer que os dados estão sendo gerenciados aqui”, afirmou Neris.

A companhia funciona no regime home office, o que permite que os funcionários trabalhem em cidades diferentes nos Estados Unidos e até mesmo continuem morando no Brasil. “Com a quarentena, não paramos nenhum segundo porque já tínhamos as ferramentas para trabalhar remotamente”, contou o chefe de receita da InEvent.

No ano passado, já nos EUA, a startup foi acelerada pela Y Combinator, uma das maiores aceleradoras de startups do Vale do Silício. Como parte do programa, a InEvent recebeu um aporte de US$ 150 mil, conectou-se com diversos empreendedores e investidores, auxiliando no desenvolvimento da empresa no novo país.

Para o futuro, a companhia pretende continuar oferecendo uma operação omnichannel, unindo o presencial e digital. “Mesmo com o fim da quarentena, muitas pessoas ainda não vão querer comparecer presencialmente a eventos de grande portes. Elas podem ser incluídas se a experiência for multicanal”, disse Neris.