Startup atua na gestão de inovação de empresas e dá dicas de como inovar

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

4 de Maio de 2018 às 19:34 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Apesar da experiência de 11 anos de existência, hoje a AEVO é considerada uma startup. Há dois anos atrás, a empresa desenvolvedora de softwares pivotou completamente seu modelo de negócios e se tornou uma plataforma de gestão de inovação. Atualmente, a AEVO auxilia as empresas a identificarem onde precisam inovar e como fazê-lo, incentivando a criação de desafios para as equipes. “Hoje a gente não precisa convencer quase nenhuma empresa que inovar é importante, elas têm essa consciência. A dificuldade está no próximo passo: como que eu inovo?”, comentou Luis Felipe Carvalho, diretor da AEVO. E foi essa pergunta que a startup veio responder.

A plataforma da AEVO, chamada de AEVO Innovate, é o local onde os desafios são propostos. Nela, a startup disponibiliza ferramentas que estimulam a inovação e o intraempreendedorismo entre os colaboradores das empresas. “Nós fazíamos softwares sob demanda e alguns sistemas começaram a aparecer constantemente. Um desses sistemas é o que temos hoje, o AEVO Innovate, para gerenciar a inovação. Os clientes precisavam inovar, juntar a equipe e lançar desafios, e nós começamos a perceber que essa é uma demanda constante e que poderíamos ajudar bem, pois tínhamos achado uma fórmula legal”, conta Carvalho sobre a criação da startup. Para engajar os colaboradores, a startup aposta em rankings.

Com a mudança de diretriz na empresa, a AEVO passou a atacar uma dor específica no mercado, ao invés de criar diversas soluções para empresas variadas. Para o diretor da startup, a experiência como uma empresa desenvolvedora de software foi importante para achar esse novo caminho. “No final das contas, a ideia é a matéria prima da inovação – você precisa partir de uma ideia. As vezes uma empresa tem 5 mil, 10 mil pessoas, ou mesmo que seja mil pessoas, 500 pessoas, as que inovam são pouquíssimas, elas não têm voz. É um desperdício de capital humano, no final das contas. Então com a experiência ficou claro que estávamos no momento certo e com as ferramentas corretas”.

O primeiro ponto em que a empresa precisa olhar quando procura inovar, segundo Luiz Carvalho, é entender qual é o problema e desenvolver uma estratégia. “Nesse caso, a tecnologia é uma ferramenta. A empresa que quer inovar só implantando tecnologia não está inovando, está no máximo aprendendo”, afirma.

Em segundo lugar, a empresa deve cuidar da própria cultura e estimular a participação ao mesmo tempo em que desenvolve o conhecimento de seus colaboradores. “Se você precisa inovar utilizando tecnologia, não basta trazer apenas o cara do processo ou apenas o líder ir em um evento e conhecer a tecnologia – todas as pessoas que estão envolvidas precisam ser inspiradas. Raramente você vai inovar em algo completamente novo – você verá uma aplicação em outro setor ou outra tecnologia, une ao seu conhecimento e tem ideias”, comenta o diretor da Aevo.

Por último, a empresa deve avaliar a sua própria capacidade de execução – não basta ter a ideia, pessoas e a cultura, e não ter a capacidade de colocar o objetivo em prática. Através da plataforma de gestão de inovação, a Aevo auxilia as empresas em todas as três fases do processo, desde a análise dos pontos a serem inovados até a disponibilização da ferramenta que organizará e estimulará o alcance do objetivo.

A Aevo participará da NVIDIA Startup Village do Silicon Valley Conference. O evento é o maior sobre a inovação do Vale do Silício já feito no Brasil, mas está com ingressos esgotados. Quer ser o primeiro a saber da segunda edição do Silicon Valley Conference em 2018? Cadastre seu e-mail e saiba a data em primeira mão.

[php snippet=5]