Vagas: Guiabolso investe em sua área de tecnologia

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

27 de março de 2019 às 15:37 - Atualizado há 2 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

O Guiabolso, fintech que auxilia na gestão financeira dos brasileiros, quer crescer seu time de tecnologia. A startup está com vagas abertas para desenvolvedores e profissionais da área – entre eles, de backend, frontend e especialistas em Android e iOS.

Atualmente, 49% dos funcionários da startup são deste setor. O time é responsável desde a manutenção do aplicativo, produto e dados, entre outros. Para tal, todas as vagas utilizam tecnologias da Amazon Web Services e o método CI/CD.

“Estamos buscando profissionais sem faixa etária definida, mas que já tenham conhecimento e queiram se desenvolver dentro da empresa”, conta Cecília Lanat, diretora de pessoas do Guiabolso.

As vagas especialistas vão de profissionais na categoria pleno até especialista. A empresa trabalha com diversas linguagens de programação, como Kotlin, Phyton, além das tecnologias de ReactJS, Clean Architecture, entre outros.

Para selecionar os profissionais, o Guiabolso realiza quatro entrevistas no mesmo dia. As entrevistas vão desde a parte técnica até para verificar se os candidatos possuem um fit cultural com a empresa.

Cecília Lanat descreve a cultura do Guiabolso como “jovem e não hierárquica”. “Temos a cultura de falar a verdade, receber feedback independente da posição e senioridade, fazer o melhor junto, com colaboração e trabalho em equipe. Há um senso de comunidade de vestir a camisa, acreditar e viver o melhor juntos”.

Os candidatos recebem o feedback no mesmo dia do processo seletivo. “A pessoa já sai daqui com uma proposta. Percebemos que perdíamos pessoas boas no caminho porque demorávamos muito no processo e há muita procura e demanda por profissionais dessa área”, explicou Lanat. Os benefícios concedidos pela empresa são plano de saúde, GymPass, plano odontológico, vale-alimentação e refeição, vale-transporte e seguro de vida.

O onboarding

Após o processo seletivo, os profissionais experimentam o onboarding, parte da adaptação de conhecer e se instalar na empresa. Há um dia institucional para funcionários de todas as áreas aprenderem mais sobre os valores e a cultura de toda a empresa e também as partes burocráticas do mercado financeiro.

No entanto, o time de tecnologia passa por um período de adaptação ainda maior para se integrarem aos sistemas e tecnologias usados. O Guia – como são chamados os funcionários da startup – recebe um desafio que dura uma semana e, para realizá-lo, deve interagir com todos os times de tecnologia.

O desafio é, de certa forma, um reflexo do que o profissional viverá na empresa. O time de tecnologia é dividido em squads – método de organização ágil -, cada um focado em uma diferente iniciativa. Atualmente, existem mais de 10 times específicos desse setor na startup.

Plano de carreira?

O Guiabolso não possui planos de carreira pré-definidos. “Temos caminhos de crescimento, níveis de senioridade dentro da carreira, mas a velocidade e o caminho dependem do próprio funcionário individualmente”, comentou a diretora de pessoas da empresa.

Para acompanhar o desenvolvimento de seus funcionários, o Guiabolso dá feedbacks a cada dois meses e realiza reuniões com o time societário da empresa pelo menos duas vezes ao ano. Isso porque a startup oferece opção de compras de ações da empresa para os profissionais que se destacam.

“Hoje, temos mais de 40 pessoas na empresa que possuem esse benefício e imaginamos que teremos mais um comitê em breve e esse número deve crescer”, disse Cecília. Segundo a diretora, a empresa avalia quanto tempo o profissional está na empresa, nota de avaliação de performance (que deve ser acima da média).

“Esse é um mecanismo muito utilizado por startups para trazer gente boa. Desde o começo existe esse benefício como uma forma de remuneração e compensação inclusive para trazer os primeiros colaboradores”, disse Lanat.