Grow deixará de oferecer patinetes em 14 cidades do Brasil e demitirá 600 funcionários

Da Redação

Por Da Redação

22 de janeiro de 2020 às 15:55 - Atualizado há 9 meses

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Grow, fusão entre a Grin e a Yellow, anunciou nesta quarta-feira (22) uma reestruturação em sua operação no Brasil. A companhia deixará de oferecer o compartilhamento de seus patinetes elétricos em 14 cidades, passando a operar apenas em São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba. A mudança, segundo a startup, é para “continuar prestando serviços de forma estável, eficiente e segura”.

As bicicletas da Yellow estão temporariamente fora de circulação para reparos técnicos. A Grow está aberta a parcerias públicas e privadas para expandir sua atuação no setor.

Além de Santos (SP), a empresa está se retirando de São Vicente (SP), Campinas (SP), São José dos Campos (SC), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Florianópolis (SC), Goiânia (GO), Guarapari (ES), Porto Alegre (RS), São José (SC), Torres (RS), Vitória (ES) e Vila Velha (ES). Os patinetes elétricos que circulavam por essas cidades serão levados para as que continuam em operação.

“Planejar essa reestruturação nos colocou diante de decisões difíceis, porém necessárias para aperfeiçoar a oferta de nossos serviços e consolidar a nossa atuação na América Latina. O mercado da micromobilidade é fundamental para revolucionar a forma como as pessoas se locomovem nas cidades e continuamos acreditando que esse mercado tem espaço para crescer na região”, explica Jonathan Levy, CEO da Grow, no anúncio.

A startup contratou uma consultoria de recursos humanos para auxiliar na recolocação dos funcionários demitidos dos mercados em que está saindo. Além do Brasil, a Grow opera em 6 países da América Latina e atingiu 20 milhões de corridas realizadas desde agosto de 2018.

ATUALIZAÇÃO ÀS 17H38min: Segundo informações exclusivas, foi anunciado para toda a equipe, nesta semana, que serão demitidos 600 funcionários em toda a América Latina. O número não foi confirmado pela startup, embora a empresa admita que vão ocorrer demissões e que vai buscar recolocação profissional para as pessoas que forem desligadas.