Flexciton usa inteligência artificial para otimizar produção em fábricas

João Ortega

Por João Ortega

22 de janeiro de 2019 às 18:25 - Atualizado há 2 anos

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

Flexciton é uma startup baseada em Londres, na Inglaterra, que utiliza inteligência artificial para otimizar a produção de fábricas. A partir da análise de dados obtidos na linha de montagem, a tecnologia de ponta desenvolvida pela empresa identifica falhas e aponta mudanças necessárias para diminuir custos, reduzir resíduos e aumentar a produtividade.

Fundada em 2016 pelos empreendedores do setor industrial Dennis Xenos e Jamie Potter, a startup vem recebendo reconhecimento mundial, mesmo com pouco tempo no mercado. No ano passado, ela apareceu em um ranking entre as 100 startups mais disruptivas do mundo.

A Flexciton recebeu nesta terça-feira um aporte de £2,5 milhões (cerca de R$ 12 milhões) por meio do fundo britânico Backed VC. A startup já tem clientes em diversas áreas da indústria no Reino Unido, como têxtil, alimentícia e automobilística.

Como funciona a Flexciton

Segundo os fundadores da empresa, mesmo os programas que se apresentam como solução para o planejamento das linhas de montagem ainda deixam uma parte muito grande a ser realizada de forma manual. O diferencial da Flexcition foi ter alcançado uma tecnologia de inteligência artificial que consegue, de forma eficiente, interpretar os dados armazenados pela fábrica.

A partir desta enorme quantidade de dados, o algoritmo da startup cria uma cópia virtual da fábrica para realizar testes. A seguir, um plano otimizado é gerado para aplicação na linha de montagem. “Este plano dita tudo que acontece dentro da fábrica. Planeje bem e a fábrica será lucrativa, ou planeje mal e a mesma fábrica pode entregar produtos com atraso, gastar dinheiro desnecessariamente em equipamentos e, assim, acabar com a sua margem”, disse Jamie Potter ao canal Techcrunch.

Potter ainda afirma que “encontrar o plano otimizado é um dos problemas matemáticos mais difíceis que existe no mundo real”. Por isso, a inteligência artificial surgiu como uma solução viável.