Creditas dá primeiro passo para se tornar uma instituição financeira

Avatar

Por Isabela Borrelli

25 de Maio de 2018 às 18:50 - Atualizado há 3 anos

Logo Novo Curso

Transmissão exclusiva: Dia 08 de Março, às 21h

Descubra os elementos secretos que empresas de sucesso estão usando para se libertar do antigo modelo de Gestão Feudal de Negócios.

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

A Creditas, fintech especializada em empréstimo com garantia, publica uma carta de intenção para se tornar uma instituição financeira, nesta quinta-feira. Uma vez que não ocorram oposições ao pedido, a startup dará o segundo passo: registrá-lo no Banco Central.

Em abril, o Banco Central aprovou uma resolução que permite que fintechs concedam crédito sem necessidade da intermediação de um banco. No caso, antes dessa regulamentação várias fintechs que atuam na área de empréstimos eram obrigadas a contar com parceiros.

Agora não será mais necessário: a regulamentação prevê que as startups possam operar como Sociedade de Crédito Direto (SDC), realizando operações com recursos próprios, ou também como Sociedades de Empréstimo entre Pessoas (SEP).

Segundo Sergio Furio, CEO da Creditas que estará presente no Fintech Conference, a intenção da fintech no momento é ganhar autonomia e baixar custos: “A Creditas está com um volume que faz sentido fazer a solicitação da licença. Vamos entrar com o pedido das licenças novas de Sociedade de Crédito Direto, porque dão muito mais capacidade de crescimento, inovação e eficiência.”

No último ano, a Creditas cresceu 8 vezes no tamanho da receita, mas está longe de sossegar: o foco é manter o crescimento entre 4 a 5 vezes ao ano e em 5 anos se tornar um dos líderes do mercado financeiro.

“Imagino que daqui 5 anos estaremos com licença própria, emitindo nosso crédito de um jeito mais barato e com um tamanho super relevante. Estaremos liderando sem nenhuma dúvida a categoria de crédito com garantia e com um nível de automação muito maior que hoje e, portanto, uma taxa de juros muito menor para o cliente”, afirma Furio.

Ainda não é possível afirmar se a fintech planeja ou não ser um banco, mas uma vez liberada para ser uma instituição financeira, esse pode ser um passo natural… Vale lembrar que antes de ser tornar Creditas, a fintech chamava-se Bank Fácil, o que pode indicar certa tendência.