Brex levanta US$ 100 milhões em rodada de débito

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

16 de abril de 2019 às 16:02 - Atualizado há 1 ano

Logo ReStartSe

Inscreva-se para o maior e mais audacioso evento de inovação, tecnologia e transformação digital já feito na América Latina. 30 dias que vão mudar sua visão de mundo, dos seus negócios e da sua carreira.

Online e totalmente gratuito - 01 a 30 de outubro/2020

A Brex, fintech dos Estados Unidos criada pelos brasileiros Henrique Dubugras e Pedro Franceschi, levantou US$ 100 milhões em uma rodada de dívida financiada pelo Barclays Investment Bank.

O aporte será utilizado para investir no crescimento da empresa, que atingiu o valor de mercado de US$ 1 bilhão no ano passado. Para o futuro, a fintech de cartões corporativos para startups deseja também lançar uma versão para empresas de grande porte.

A rodada de investimento do tipo de “dívida”, também chamado de “debt financing”, requer que o valor do aporte seja pago ao investidor no futuro. No entanto, é uma boa opção para empresas que não querem ceder participação a novos investidores, pois não há equity envolvido.

Criada em 2017, a Brex oferece cartões de crédito para startups. A solução parece simples, mas a fintech ataca necessidade especificas desse tipo de empresa, como a dificuldade de obter crédito. Por isso, a fintech não requer nenhuma garantia ou pontuação de crédito e depósito caução.

Além disso, a startup oferece níveis de crédito maior do que a maioria das opções financeiras mais convencionais. Para financiar suas operações, a Brex já levantou US$ 182,1 milhões em investimentos. Ela também adquiriu a startup de blockchain Elph.

Recentemente, a Brex lançou um programa de benefícios que permite que os pontos sejam acumulados e trocados por serviços como corridas por aplicativo, entre outros. O programa foi pensado na necessidade das startups.

Conversamos com os fundadores da Brex em nossa websérie sobre fintechs, a Fintech Revolution. Apesar de Henrique Dubugras e Pedro Franceschi serem brasileiros, ainda não há previsão de quanto a startup chegará no país.