A experiência do usuário como um pilar do varejo

Tainá Freitas

Por Tainá Freitas

5 de dezembro de 2017 às 18:14 - Atualizado há 3 anos

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora
Logo Cyber Monday 2020

Só hoje, nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Hoje, a conversão de clientes é um pilar importante para qualquer comércio. Mas após conquistar um cliente, quais são os próximos passos? Continuar oferecendo uma boa experiência de compra (ou serviço) para estabelecer um bom relacionamento à longo prazo, conquistando a fidelidade.

No Retailtech Conference que está acontecendo hoje, em São Paulo, promovida pela StartSe, startups apresentaram suas soluções e experiências, e um dos assuntos mais falados foi a experiência do consumidor. A Conpass e Ventron apresentaram suas soluções em um pitch:

Conpass

A Conpass, representada pelo CEO Ivan Biava, trouxe sua solução: um user onboarding. “73% das pessoas abandonam o software/plataforma visitado nos 5 primeiros minutos”, afirma Oliveira. Para ele, o principal problema é que as pessoas não conseguem utilizar os softwares e plataformas, ficando frustrados.

Por isso, a Conpass oferece a jornada mais rápida para o cliente ter sucesso, trazendo tutoriais e guias de uso em sites.

Um case de sucesso da empresa foi a Loja Integrada, que em um mês de utilização da plataforma experimentou um aumento de 60% em vendas e 33% de redução no uso de suporte. O motivo é simples: as taxas de rejeição e abandono de carrinho nos e-commerces foram reduzidas.

Ventron

Já a Ventron enriquece a experiência do consumidor oferecendo um shopbot e personal shopper para empresas. “Não podemos pensar o shopbot como uma solução que substitui o vendedor”, afirma Alex Salino, CTO da Ventron.

O shopbot age como um chatbot que também vende, realizando um ciclo completo de vendas. O diferencial é que a inteligência artificial alimenta as necessidades do cliente, desde a loja física até o e-commerce, e traz dados atuais de cada consumidor, percebendo sua necessidade na hora da compra.

“A experiência do usuário deve ser o centro das decisões em cada canal, para oferecermos o bot correto. Não existe bot pronto, mesmo que seu produto seja igual ao dos concorrentes, ele deve ser customizado”, comenta Salino.

Já o personal shopper age como o shopbot, mas há um robô personalizado oferecendo as ofertas. O CTO apresentou o case da Dufry, em que a startup está desenvolvendo em conjunto com a Neomode um personal shopper capaz de saber quando o cliente tem uma viagem agendada, para oferecer ofertas inteligentes.

Além das próprias soluções, a Ventron também conecta startups inovadoras com a realidade do mercado, definindo a melhor startup para trazer os resultados de um negócio.

Participe do maior censo de startups do Brasil! Não deixe de entrar no grupo de discussão da StartSe no Facebook e de inscrever-se na nossa newsletter para receber o melhor de nosso conteúdo!

E caso você tenha em patrocinar os eventos da Startse, entre em contato no patrocinio@startse.com.

[php snippet=5]