“Era muito difícil para os brasileiros pagarem”, diz Jan Koum sobre assinatura

Da Redação

Por Da Redação

18 de janeiro de 2016 às 15:55 - Atualizado há 5 anos

Logo Black Friday 2020

Nossos melhores Cursos Executivos ou Programas Internacionais com até 50% off

Quero saber mais

Vem aí a melhor formação de líderes do Brasil

Logo Liderança Exponencial Aprenda as novas competências fundamentais para desenvolver uma liderança exponencial e desenvolva diferenciais competitivos para se tornar um profissional de destaque no mercado.

100% online, aulas ao vivo e gravadas

Próxima turma: De 14 a 17/Dez, das 19hs às 22hs

Inscreva-se agora

Agora o WhatsApp é totalmente gratuito. 100%. A assinatura de US$ 0,99 foi embora e dará espaço para um novo tipo de monetização do usuário – a habilidade de juntar negócios e usuários através do aplicativo de mensagens. 

Jan Koum, fundador do WhatsApp e membro do conselho do Facebook, explicou a decisão em uma entrevista para a Wired: “Era muito difícil para as pessoas na Índia ou no Brasil pagarem. Eles necessariamente não possuíam cartões de crédito ou a infraestrutura necessária para realizar esse pagamento”, destaca.

E como o mercado brasileiro é um dos principais do WhatsApp, não fazia sentido alienar uma grande base de usuários por conta desse pagamento – o pagamento de US$ 0,99, atrapalharia o crescimento do WhatsApp. Com o aplicativo quase com 1 bilhão de usuários ao redor do mundo, agora é hora de “procurar o dinheiro”. 

Agora, o WhatsApp (que, embora seja do Facebook, opera como uma empresa separada) pode ganhar dinheiro juntando negócios com pessoas. “Ao falar com um restaurante, talvez a gente tenha três opções diferentes. E quando eu apertar um botão, a reserva é feita”, avisa Koum. 

Potencialmente, essa é uma forma de ganhar dinheiro mais promissora do que a assinatura de US$ 1 por ano – a companhia supostamente registrou receitas de apenas US$ 15 milhões na primeira metade de 2014, época em que gastou US$ 250 milhões. 

O Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, sempre pede para que analistas e investidores sejam pacientes com o WhatsApp e que um dia um plano de monetização seria apresentado. A rede social comprou o aplicativo de mensagens por US$ 19 bilhões.